Mundo corre risco de uma catástrofe cibernética em dois anos

Mundo corre risco de uma catástrofe cibernética em dois anos. 86% dos líderes mundiais acreditam que as próximas trincheiras serão virtuais. 

Durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, a pesquisa Global Cybersecurity Outlook 2023 mostrou que 86% dos líderes mundiais acreditam que as próximas trincheiras serão virtuais.

O alerta foi dado: nos próximos dois anos uma grande catástrofe cibernética pode ocorrer caso os países não incluam em suas estratégias de defesa a cibersegurança. O tema foi levantado no Fórum Econômico Mundial, em Davos, nesta semana. De acordo com Edi Rama, primeiro-ministro da Albânia, se o cibercrime fosse um estado seria a terceira maior economia do mundo depois de Estados Unidos e China com um PIB de US$ 10,5 trilhões.

O preocupante, segundo Edi Rama, é o ritmo de crescimento deste volume, em 2015, o cibercrime movimentava US$ 3 trilhões. Os dados são de um relatório da empresa Cybersecurity Ventures. No ano passado, a Albânia foi alvo de um ataque cibernético de cibercriminosos iranianos, no ano passado. O Global Cybersecurity Outlook 2023, apresentado no Fórum, mostra que 86% das lideranças mundiais acreditam que a instabilidade geopolítica pode levar o mundo a um evento cibernético de grandes proporções nos próximos dois anos.

Outro dado do levantamento aponta que 93% dos profissionais que cuidam da segurança cibernética de empresas e países compartilham da mesma opinião. “Isso excede em muito o que vimos em pesquisas anteriores”, comentou Jeremy Jurgens, diretor administrativo do Fórum Econômico Mundial, ao repercutir o relatório. Essa preocupação toma novas proporções quando considerado o atual conflito entre Rússia e Ucrânia que aumentou consideravelmente o número de ataques cibernéticos.

Gartner: Segurança cibernética precisa ser reformulada

Em uma pesquisa realizada pelo Gartner, cerca de 88% dos conselhos consideram a segurança cibernética como um risco comercial e não apenas um problema técnico de TI.

Com riscos indo além das áreas de TI, líderes de cibersegurança devem garantir que divisões de negócios também tenham recursos para tomar decisões defende instituto.

A Gartner, empresa de pesquisa e consultoria para empresas, alertou, por meio de um novo estudo global, que os líderes de segurança cibernética precisam adotar novas práticas, já que a responsabilidade sobre os riscos cibernéticos estão avançando para além das áreas de TI. “Os líderes de segurança cibernética estão esgotados, sobrecarregados e no modo ‘sempre ativo’”, alerta Sam Olyaei, diretor de pesquisa do Gartner. “Este é um reflexo direto de quão elástico o papel desse especialista se tornou na última década, devido ao crescente das expectativas entre as partes interessadas dentro de suas organizações.”, finaliza. 

Em uma pesquisa realizada pelo Gartner, cerca de 88% dos conselhos consideram a segurança cibernética como um risco comercial e não apenas um problema técnico de TI. E 13% dos entrevistados responderam que as empresas deveriam criar comitês específicos de segurança cibernética supervisionados por um diretor. O Gartner prevê que pelo menos 50% dos C-Levels terão requisitos de desempenho relacionados ao risco e gestão de segurança cibernética incorporados em seus contratos de trabalho até 2026. Isso afeta a pontualidade e a qualidade das decisões de risco das informações, que estão sendo cada vez mais tomadas por partes interessadas e fora da linha de visão da TI ou da segurança.

Para que as empresas tenham sucesso, o Gartner almeja uma mudança nas estratégias de negócios devido aos riscos na internet, destacando que o trabalho do líder de segurança cibernética é fundamental. “O papel desse profissional deve evoluir de ser a pessoa responsável pelo tratamento de riscos cibernéticos, para ser responsável por garantir que os líderes empresariais tenham as capacidades e o conhecimento necessários para tomar decisões informadas e de alta qualidade sobre riscos de informações”, afirma Olyaei.

Outra constatação da pesquisa é de que investidores e regulamentação governamental incentivam organizações a adotarem o ESG também na segurança cibernética, relatando metas e métricas de segurança dentro de seus esforços ambientais, sociais e de governança como um requisito de negócios. Como resultado, o Gartner prevê que 30% das grandes organizações terão metas ESG compartilhadas publicamente com foco em segurança cibernética até 2026. 

Fonte: Forbes  

Veja também:

 

Sobre mindsecblog 1947 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!