Fraude online é cada vez mais comum na América Latina

Fraude online é cada vez mais comum na América Latina e usuários finais estão dispostos a adotar novas tecnologias para combatê-la

  • Dados da Veriff, scale-up estoniana líder em IDV, mostram que 80% dos entrevistados no Brasil, México e Colômbia sofreram fraude online pelo menos uma vez no ano passado, em comparação com 48% nos EUA e na Europa.
  • A Veriff já é parceira de empresas globais como a Wise e a Bolt, e está expandindo ativamente as operações na região da América Latina para ajudar as empresas na confiança online e no combate à fraude de identidade.

Os resultados da pesquisa da Veriff, divulgados pela primeira vez no WebSummit 2024 no Rio de Janeiro, mostraram que a região da América Latina se destaca em problemas com fraudes de identidade online. A Veriff entrevistou usuários do Brasil, Colômbia e México e os resultados mostraram que 62% dos brasileiros encontraram atividades suspeitas ou fraudulentas pelo menos quatro vezes enquanto navegavam online no último ano. Quase 80% dos entrevistados dos três países afirmaram que isso aconteceu pelo menos uma vez nos 12 meses anteriores. Esses dados são complementares ao Relatório Anual de Fraude de Identidade de 2024 da Veriff.

Na batalha contra a fraude, os entrevistados da América Latina emergem como entusiastas de tecnologias de ponta. 91% deles defendem que os prestadores de serviços financeiros e os bancos digitais devem implementar medidas de segurança mais fortes para a verificação de identidade. 85% confiam no reconhecimento facial como uma solução mais segura do que métodos convencionais, como senhas ou perguntas de segurança (nome do animal de estimação, nome de solteira da mãe etc.). Essa preferência é ainda mais significativa no Brasil (87%).

A pesquisa revela uma tendência tangível de que quase 80% dos entrevistados latino-americanos já adotaram o reconhecimento facial ou de impressão digital. Essa porcentagem é significativamente superior à registrada nos EUA ou na Europa (56%). Além disso, mais da metade dos entrevistados globais (52%) acredita que a utilização da biometria ou do reconhecimento facial é o método mais seguro para acessar serviços online.

A pesquisa também demonstrou que as atividades de mitigação de fraudes das empresas impactam diretamente na reputação. Para cerca de 70% dos entrevistados da LATAM, o histórico de prevenção de fraudes de uma empresa influencia as decisões dos usuários ao se inscreverem ou assinarem serviços. Este comportamento é semelhante na Europa e nos Estados Unidos.

A Veriff caminha para estabelecer um negócio no Brasil e construir um ecossistema de parcerias como parte de sua estratégia de expansão na região para fortalecer suas operações nos próximos anos.

Desenvolvimento da inteligência artificial: inovação ou ameaça?

No painel “Biometria e além: desmascarando a verificação de identidade” no WebSummit, o fundador e CEO da Veriff, Kaarel Kotkas, enfatizou a natureza dupla da IA. Embora esta tecnologia nos permita tornar a verificação de identidade mais precisa, escalável e rápida, também alimenta o aumento da IA generativa (como os deepfakes), apresentando um desafio social significativo. Kotkas destacou duas tendências de rápido crescimento: fraude promocional, onde os fraudadores usam informações de identidade roubadas para explorar promoções, e a personificação, em que usa-se a identidade de outra pessoa para roubar dinheiro ou informações pessoais online. A ferramenta para mitigar essas ameaças é verificar a origem.

Segundo Kotkas, “tornar a internet um lugar mais seguro é mais do que apenas uma etapa de verificação. Devemos ir além do óbvio para eliminar o comportamento malicioso do sistema”. E é para isso que a Veriff foi criada: “Estamos construindo infraestrutura para confiança. Permitimos que qualquer site ou aplicativo corresponda uma pessoa à sua identidade, e a Veriff faz isso muitas vezes ao dia, globalmente. Na era da economia digital em evolução, as empresas precisam de soluções robustas para verificação de identidade online para trazer segurança ao mundo virtual”.

A IA está tornando o mundo digital menos seguro?

No painel “A IA está tornando o mundo digital menos seguro?”, realizado no palco principal do Websummit, moderado por Eileen Guo, do MIT Technology Review, o fundador da Veriff, Kaarel Kotkas, e André Ferraz, da Incognia, discutiram as ameaças da IA. Embora seja possível observar os aspectos preocupantes da IA à medida que a tecnologia se desenvolve – e compreender que o crescimento é incontrolável -, o que pode e deve ser controlado e visado pelas empresas é a forma como lidamos com as ameaças online utilizando a IA.

Kotkas disse: “Com serviços de alto valor sendo transferidos para a internet, a sensação de segurança é um fator fundamental para os consumidores começarem a usá-los. Oferecer uma verificação de identidade segura permite que mais serviços tornem-se virtuais, e os usuários precisam ter um bom conhecimento de como e em que seus dados serão usados”.

Os especialistas concluíram que a IA é promissora no fortalecimento da segurança do mundo digital. Por meio do desenvolvimento de tecnologias de verificação de identidade, a IA reforçada pelos serviços humanos surge como uma esperança no meio do crescente ceticismo em relação ao conteúdo online e à informação gerada. À medida que navegamos nesta era, o ato de verificar fontes, informações e identidade torna-se cada vez mais crucial e ainda vai aumentar nos próximos anos.

Veja também:

Sobre mindsecblog 2475 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

1 Trackback / Pingback

  1. Prevenir ciberataques e construir resiliência no setor de logística

Deixe sua opinião!