Ataques cibernéticos afeta infraestrutura de países da Europa

Ataques cibernéticos afeta infraestrutura de países da Europa. Milhares sem Internet após “ciberataque” maciço na Europa.

As interrupções também desativaram cerca de 5.800 turbinas eólicas na Alemanha e na Europa Central, com uma potência combinada de 11 gigawatts.

Milhares de usuários de internet em toda a Europa ficaram offline após o que fontes disseram na sexta-feira ser um provável ataque cibernético no início da ofensiva da Rússia na Ucrânia.

Segundo a Orange, cerca de 9.000 assinantes de um serviço de internet via satélite fornecido por sua subsidiária Nordnet na França estão sem internet após um “evento cibernético” em 24 de fevereiro na Viasat, operadora de satélite dos EUA da qual é cliente.

A Eutelsat, empresa controladora do serviço de internet via satélite bigblu, também confirmou à AFP na sexta-feira, 04 de março, que cerca de um terço dos 40.000 assinantes da bigblu na Europa, na Alemanha, França, Hungria, Grécia, Itália e Polônia, foram afetados pela interrupção na Viasat. .  

Nos EUA, a Viasat disse na quarta-feira que um “evento cibernético” causou uma “interrupção parcial da rede” para clientes “na Ucrânia e em outros lugares” na Europa que dependem de seu satélite KA-SAT.

A Viasat não deu mais detalhes, dizendo apenas que “a polícia e os parceiros do Estado” foram notificados e estão auxiliando nas investigações.

O general Michel Friedling, chefe do Comando Espacial da França, disse que houve um ataque cibernético.

Durante vários dias, logo após o início das operações, tivemos uma rede de satélites que cobre a Europa e a Ucrânia em particular, que foi vítima de um ataque cibernético, com dezenas de milhares de terminais que ficaram inoperantes imediatamente após o ataque”. ele disse, acrescentando que estava falando sobre uma rede civil – Viasat.

As interrupções também desativaram cerca de 5.800 turbinas eólicas na Alemanha e na Europa Central, com uma potência combinada de 11 gigawatts.

Devido a uma interrupção maciça da conexão via satélite na Europa, o monitoramento e controle remoto de milhares de conversores de energia eólica só é possível atualmente“, disse o fabricante, a alemã Enercon, que disse que os problemas começaram em 24 de fevereiro, o primeiro dia da invasão da Ucrânia.

Não há perigo para as turbinas eólicas“, que continuam a produzir energia, mas não podem mais ser reiniciadas remotamente, se necessário, disse o fabricante.

Um relatório do Escritório Federal de Segurança da Informação da Alemanha disse que era “concebível que as interrupções fossem consequência de um ataque cibernético“, informou o jornal alemão Handelsblatt.

Especialistas militares e cibernéticos temem que o conflito russo-ucraniano possa levar a um surto de ataques cibernéticos, um “armagedom cibernético” com grandes consequências para civis na Ucrânia e na Rússia, mas também globalmente, por meio de um efeito de transbordamento.

Mas um cenário de pior caso foi evitado até agora, pois os ataques observados parecem estar contidos em seu impacto e escopo geográfico.

As empresas de segurança cibernética observaram ataques na Ucrânia que implantam um novo vírus destruidor de dados, cujos efeitos reais ainda não são conhecidos.

Na Rússia, sites institucionais foram tornados inacessíveis do exterior, para protegê-los de ataques de negação de serviço (DOS) que regularmente os tornavam inoperantes.

Fonte: NdTV

Veja também:

 
Sobre mindsecblog 1772 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!