5 passos para aumentar a resiliência cibernética em sistemas hídricos 

5 passos para aumentar a resiliência cibernética em sistemas hídricos. Criminosos estão cada vez mais atentos ao valor que pode ser extraído da infraestrutura crítica.

A indústria das águas geralmente não é associada às ameaças de segurança cibernética, mas, com a automatização do setor ao longo dos últimos anos, isso vem mudando.   

Embora a conectividade digital nas concessionárias de águas tenha aumentado com a integração da tecnologia da informação (TI), tecnologia operacional (OT) e a Internet das Coisas (IoT), a mentalidade em relação à segurança não acompanhou o ritmo, e isso é muito preocupante. A segurança das redes OT e IoT são realizadas de maneiras diferentes e muitas vezes mais desafiadoras para a TI, na qual a maior parte do foco de segurança é direcionada. 

Como provedor de um serviço essencial, os efeitos de um ciberataque em concessionárias de água e saneamento têm o potencial de causar grandes danos à população atendida. Nessa atual transformação digital, as empresas do setor têm duas opções: priorizar a segurança cibernética ou arriscar perdas financeiras, vazamentos de dados e até mesmo comprometer o fornecimento de água potável e prejudicando também o tratamento de esgotos afetando a soberania de uma nação com a possibilidade de comprometimento de serviços essenciais à sociedade.  

Entenda os riscos 

O setor de água e esgoto é avaliado globalmente em cerca de 500 bilhões de dólares, mas não era um alvo monetário para hackers até pouco tempo. Havia pouca automação ou necessidade de acesso remoto aos sistemas e o valor para os hackers era limitado a praticamente apenas desligar fisicamente o maquinário. 

O acesso remoto permite a conectividade de qualquer lugar do mundo para gerar ideias inovadoras ou solucionar problemas complexos. A automação e a IoT agora são partes essenciais das estruturas modernas de operações críticas. 

No entanto, a proteção acabou ficando para trás e nos EUA estima-se que apenas 1% do orçamento do setor seja voltado para a segurança cibernética. Além disso, a avaliação de riscos, os planos de mitigação e recuperação também são negligenciados. Muitos operadores de serviços públicos não estão cientes dos tipos de ameaças que podem enfrentar. Além disso, as redes OT e IoT são frequentemente consideradas muito difíceis de proteger. 

Nos últimos anos vimos diversos ataques, como a invasão ao Maroochy Shire em Queensland, que liberou mais de um milhão de litros de esgoto em parques, ruas e rios locais; a violação em computadores que controlam as comportas de uma empresa no Irã; e a sabotagem que mais chamou a atenção em Oldsmar, na Flórida, com a tentativa de alterar os níveis químicos na água, colocando a vida de milhões de pessoas em risco. 

Mitigação 

De acordo com a IBM, as violações de dados agora custam às empresas pesquisadas US$ 4,24 milhões por incidente em média. O erro humano é uma das principais causas de violações, seja por senhas fracas, compartilhamento de informações de segurança ou clique em e-mails de phishing podem contribuir para o sucesso de um ciberataque. Diversos ataques que atingiram os ambientes de OT foram bem sucedidos a partir da exploração da superfície de sistemas e redes de TI muitas vezes em ataques direcionados na indução de falhas humanas a partir de spear phishing e outras técnicas de engenharia social.  

A abordagem preventiva é fundamental para reduzir os riscos de ataques. Mesmo nas menores concessionárias, é fundamental estar previamente preparado para lidar com uma violação e manter a atualização e monitoramento de novas ameaças. Se uma empresa de tratamento de Água e Esgoto puder identificar um ataque antecipadamente, será possível evitar alguns dos danos. A proteção de ambientes OT e IoT requer respostas proativas e reativas, como: 

Planejamento: Esteja preparado para um ataque. É preciso agir agora para proteger os sistemas críticos e implementar planos para impedir uma violação e ser capaz de recuperar os dados, tratar da continuidade de negócios e restaurar rapidamente os processos operacionais 

Treinamento: É fundamental manter um treinamento consistente e atualizado para a equipe, descrevendo os procedimentos de segurança, como detectar uma ameaça e o que fazer caso sofram um ciberataque. O lado humano sempre será explorado por criminosos como busca de superfície de ataques e facilitadores de roubos, fraudes em geral ou sabotagens.  

Colaboração: Os hackers identificaram vulnerabilidades comuns em diferentes empresas do setor de Utilities (Energia, Água e Esgotos). O compartilhamento de informações sobre ameaças crescentes aumenta a conscientização dos líderes de segurança das empresas e permite que cada instalação tenha todas as informações relevantes com antecedência. Se os criminosos identificam e compartilham amaças, precisamos ser mais velozes compartilhando também o conhecimento dessas ameaças e sobretudo as contramedidas necessárias para sua rápida identificação ou, preferencialmente, mitigação.  

Higiene cibernética: Essa prática regular ajuda a identificar o footprint dos sistemas da empresa para detectar pontos de vulnerabilidade e fraquezas. Aplicações legadas e não monitoradas são particularmente suscetíveis a ataques, assim como dispositivos de legado desatualizados e que não possuem mais cobertura para correções de patches por parte dos fabricantes (depreciados).  

Investimento: Os investimentos das concessionárias de água e esgoto em cibersegurança precisam subir para o topo das agendas rapidamente.  Afinal, as estratégias de mitigação de riscos custam dinheiro, mas são muito mais baratas do que lidar com os grandes prejuízos de um ataque cibernético. 

Por Alexandre Freire, Technical Sales Engineering da Nozomi Networks para a América Latina 

Veja também:

Sobre mindsecblog 1947 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!