Segurança na nuvem: confira 6 práticas para proteger os dados

Segurança na nuvem: confira 6 práticas para proteger os dados. A Computação em nuvem estende o poder de armazenamento, processamento e acesso, mas tem seus riscos.

Na prática, a computação em nuvem é um serviço que pessoas e empresas podem contratar para utilizar armazenamento, poder computacional, além do acesso à base de dados em qualquer lugar do mundo. Basicamente, esta tecnologia fornece um serviço de computação sob demanda pela internet e, por isso, dita o ritmo de bilhões de pessoas.

Além de reduzir custos, a computação em nuvem é praticamente sem limites. É possível contratá-la para serviços mais básicos no início do negócio e adaptá-la de acordo com o crescimento da empresa. Enquanto, no passado, o acesso a contas, arquivos e servidores comerciais era restrito aos ambientes de trabalho, hoje o céu é o limite e estes dados podem ser acessados a qualquer hora e lugar com segurança.

Inclusive, segundo o relatório iMonitor IT da ISG Provider Lens, o mercado de TI encerrou o ano de 2022 com aumento de 22,9% e as expectativas são altas para 2023, ao passo que impulsionados pela Nuvem, que registrou recorde histórico com 11% das empresas do setor crescendo acima de 50% no ano, haverá ainda mais investimento neste ano para as novas ferramentas e práticas de segurança.

Em suma, os provedores de serviços de nuvem são responsáveis pela segurança física dos centros de dados e, principalmente, por garantir que estes sejam 100% seguros contra ataques cibernéticos.

Avaliando este cenário, Emerson Lima, fundador e CEO da Sauter, uma parceira de evolução digital que está ajudando a construir a próxima geração de serviços de tecnologia na América Latina, listou abaixo seis práticas que podem ajudar organizações dispostas a proteger seus ambientes em nuvem, garantindo assim que os dados e aplicações críticas não caiam em mãos erradas. Confira:

Modelo de responsabilidade compartilhada – Esse modelo define de maneira clara qual é a responsabilidade na operação da infraestrutura da cada uma das partes envolvidas, sejam elas provedores, parceiros, clientes e usuários. Não à toa, este modelo garante que não haja lacunas na cobertura de segurança de um sistema, por exemplo.

Segurança de dados (IAM e criptografia) – O gerenciamento de identidade e acesso (IAM) fornece segurança eficaz para ambientes em nuvem, executando diferentes funções, como autenticação, autorização e provisionamento de armazenamento e verificação. Muitas empresas escolhem aplicações em nuvem para IAM, pois são mais fáceis de implementar, atualizar e gerenciar. Além disso, outro método de segurança de dados é a criptografia, que torna as informações ocultas para usuários não autorizados. Este serviço pode ser auxiliado, inclusive, por provedores de serviços na nuvem ou fornecedores.

Endpoint Protection – As empresas devem implantar uma solução de segurança de endpoint para proteger os dados contra vulnerabilidades, iniciando uma segurança eficaz do lado do cliente e obrigando os usuários a atualizar seus navegadores regularmente ou realizar a verificação em duas etapas. Infraestruturas de nuvem mal configuradas podem levar a várias vulnerabilidades invisíveis que aumentam significativamente a superfície de ataque de uma organização, sendo assim é necessário manter os ambientes de nuvens seguros com ferramentas de verificação de acesso, firewalls, antivírus e segurança de dispositivos móveis.

Treinamento para os funcionários – As organizações devem treinar todos os funcionários com fundamentos de segurança cibernética para identificar anomalias e responder adequadamente. Exatamente como a ação feita pelo Grupo Boticário no final do ano passado, em parceria com a Amazon Web Services (AWS), que promoveu a primeira edição do “Massive Sessions”, uma série de encontros online e gratuitos para capacitação em computação em nuvem.

Monitoramento e manutenção de registros – As práticas de monitoramento e manutenção de registros estimulam melhorias nos produtos que beneficiam os usuários finais, possibilitando assim que as equipes de segurança identifiquem rapidamente os problemas e proponham mudanças no ambiente da nuvem.

Saiba escolher o fornecedor – Mapeie fornecedores de serviço em nuvem que tenham certificado de segurança. Feito isso, compare as medidas de segurança oferecidas por vários provedores juntamente com os mecanismos que eles usam para proteger da melhor forma as aplicações e dados.

Veja também:

Sobre mindsecblog 2425 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Como o setor educacional vai ser impactado pela nova Resolução CD/ANPD | Minuto da Segurança da Informação
  2. Desenvolvimento Low-Code: quais cuidados garantem a segurança cibernética? | Minuto da Segurança da Informação

Deixe sua opinião!