Prevenção de perda de dados ajuda a cibersegurança

Prevenção de perda de dados ajuda a cibersegurança. Veja como a prevenção de perda de dados ajuda a manter o bom funcionamento da cibersegurança.

O bom funcionamento da cibersegurança se desenvolveu como um componente vital do gerenciamento de riscos organizacionais no atual cenário de ameaças cibernéticas em constante mudança. No entanto, à medida que a frequência e a gravidade dos ataques cibernéticos e das violações de dados aumentam, as empresas de cibersegurança enfrentam custos crescentes. Isso faz com que elas reconsiderem suas estratégias, implementando procedimentos mais rigorosos para reduzir os riscos e aumentar a lucratividade. Como resultado desses ajustes estratégicos, as empresas precisam reavaliar seus métodos para sustentar a segurança cibernética e, ao mesmo tempo, manter os custos acessíveis. Um dos principais fatores para manter a cobertura da cibersegurança é o reconhecimento da necessidade de prevenção de perda de dados (DLP).

Os riscos de confiar apenas na cibersegurança

No passado, muitas empresas eram novas no campo da segurança cibernética e ofereciam preços atraentes. Como resultado, algumas empresas realizaram avaliações de risco e determinaram seria mais econômico confiar principalmente na cibersegurança, em vez de contratar equipes de segurança, desenvolver políticas de segurança e adquirir medidas de segurança. Infelizmente, essa estratégia carece de previsão, pois os desastres de segurança cibernética incluem não apenas despesas diretas, mas também efeitos importantes de longo prazo sem possibilidade de remediação, inclusive perda de confiança do cliente e danos à reputação. Por exemplo, a palavra SolarWinds ainda evoca com frequência imagens da invasão do serviço de inteligência russo há dois anos, em vez de reconhecer o sucesso e as excelentes soluções da empresa.

Outro resultado direto dessa estratégia falha de segurança cibernética foi que as seguradoras tiveram que enfrentar sinistros mais altos do que o esperado. Como resultado, elas aumentaram drasticamente suas taxas para evitar perdas futuras, esperando que seus clientes continuassem a ser ignorantes. Para se protegerem melhor, muitas seguradoras também começaram a exigir a confirmação de fortes controles de segurança não apenas antes de assinar contratos de cobertura, mas também ao processar os sinistros. Como resultado, as empresas com políticas e procedimentos de segurança fracos, após obterem a cobertura inicial, não receberão pagamento quando a seguradora percebe que as medidas de segurança necessárias não estavam em vigor no momento do incidente.

Demonstração de controles de segurança eficazes para empresas de cibersegurança

As empresas usam várias estratégias e estruturas de segurança para mostrar às seguradoras que não são um risco para a cibersegurança. A implementação de controles de segurança abrangentes com base em padrões e estruturas reconhecidos do setor é uma dessas maneiras, como a Estrutura de Ciberseguranca do NIST, por exemplo, que fornece uma estrutura completa para que as empresas avaliem e aprimorem sua postura de segurança cibernética. As empresas podem demonstrar seu compromisso com o gerenciamento eficaz de riscos, a resposta a incidentes e o aprimoramento contínuo da segurança alinhando seus processos de segurança com os princípios da Estrutura do NIST.

No entanto, aderir a uma estratégia de segurança cibernética não é a única coisa que pode ser feita. Além da adoção da estrutura, as empresas podem demonstrar sua abordagem proativa à segurança cibernética realizando avaliações e auditorias de segurança frequentes e sendo capazes de demonstrá-las às seguradoras. Avaliações completas de vulnerabilidade, testes de penetração e auditorias de terceiros ajudam a identificar possíveis lacunas e vulnerabilidades na infraestrutura e nos sistemas de uma organização. Ao abordar essas lacunas e demonstrar um compromisso com a melhoria contínua, as empresas podem demonstrar às seguradoras que estão ativamente mitigando os riscos e reduzindo a possibilidade de desastres cibernéticos.

A função útil da conformidade

O campo da cibersegurança torna-se mais fácil de navegar para organizações que trabalham em setores altamente regulamentados, onde requisitos rigorosos devem ser atendidos sob o risco de consequências graves ou negação de licenças cruciais. Essas entidades já são obrigadas a mostrar a outras partes interessadas seu compromisso com a segurança cibernética, e frequentemente realizam auditorias externas para esse fim. Esse cenário é especialmente relevante em instituições de fintech, bancos, saúde, ensino superior, militares e outras em que a conformidade é fundamental. Essas empresas são obrigadas por lei a proteger informações de identificação pessoal (PII), informações pessoais de saúde (PHI) e outros dados pessoais e confidenciais mantidos em seus sistemas, o que exige o uso de políticas e sistemas abrangentes de segurança cibernética.

As medidas usadas pelas organizações para garantir a conformidade regulamentar com padrões como PCI DSS, HIPAA, ou GDPR podem ser persuasivas ao lidar com provedores de cibersegurança. A boa notícia é que essas medidas de conformidade estão bem alinhadas com os casos de uso da cibersegurança. Os mesmos métodos e soluções usados para atender aos critérios de conformidade também podem ser usados para fortalecer o caso de uma empresa para a segurança cibernética. É como acertar dois coelhos com uma cajadada só. Além disso, a contratação de cibersegurança pode ajudar uma organização a se posicionar bem caso pretenda seguir padrões de conformidade rigorosos no futuro, permitindo uma possível expansão e crescimento corporativo.

O complexo mundo da cibersegurança

O campo da segurança cibernética tem várias dimensões que precisam ser consideradas. Embora o malware, os ataques de ransomware e o phishing sejam frequentemente destacados na mídia, eles representam, na verdade, uma pequena parte do quadro geral. Os ataques cibernéticos geralmente são empreendimentos múltiplos, com hackers mal-intencionados primeiro obtendo acesso a um sistema por meios como acesso desprotegido à porta de rede ou vulnerabilidades on-line. Uma vez dentro do sistema, esses criminosos cibernéticos exploram gradualmente mais falhas de segurança nos sistemas tecnológicos e nas vulnerabilidades relacionadas ao ser humano, como autenticação fraca, eventualmente visando a dados confidenciais.

A exigência de vários níveis de defesa aumenta a complexidade da segurança cibernética, e estamos muito longe da época em que o software antivírus e o firewall eram as únicas peças de tecnologia de segurança cibernética necessárias para manter as empresas seguras. As empresas devem se proteger por meios tecnológicos, como a adoção do controle de acesso à rede de confiança zero e a implantação de medidas de segurança na nuvem, mas também devem lidar com o componente humano, que inclui os riscos de segurança cibernética relacionados ao comportamento humano. A abordagem do fator humano, por outro lado, apresenta obstáculos adicionais porque, apesar dos esforços substanciais de treinamento, ainda há um risco persistente de os funcionários serem vítimas de uma engenharia social bem elaborada. Como resultado, medidas como a prevenção de perda de dados tornam-se armas essenciais no arsenal de uma organização, atuando como evidência visível de um ecossistema de segurança robusto e, principalmente, abrangente, quando apresentado às empresas de cibersegurança.

O papel fundamental da prevenção contra perda de dados

As soluções de prevenção de perda de dados, que protegem os dados em uso, os dados em movimento e os dados em repouso, são muito mais do que apenas medidas úteis de proteção de dados e uma parte fundamental de uma estratégia abrangente de segurança de dados. Nas negociações com as companhias de cibersegurança, elas surgem como heróis desconhecidos, atuando como prova de conformidade no caso de vazamentos de dados e a consequente exigência de indenização. A importância dessas soluções decorre de sua capacidade de abordar um dos aspectos mais difíceis e arriscados da segurança de TI do ponto de vista da segurança cibernética: o fator humano.
Os especialistas em segurança cibernética reconhecem amplamente que o elo mais fraco da cadeia de segurança não é a tecnologia em si, mas sim o erro humano. A maior parte das violações de dados é causada por erro humano, e não por operações sofisticadas de hackers. Surpreendentemente, até mesmo amadores foram responsáveis por grandes ataques cibernéticos, como o hack da Capital One, que foi realizado por uma principiante que queria exibir seus talentos para seus colegas.

Quando tudo o mais falha, as soluções de DLP funcionam como a última proteção contra erros fatais, diminuindo a chance de erros humanos ou ameaças internas que levem a graves repercussões. Elas, por exemplo, impedem que os funcionários compartilhem acidentalmente informações confidenciais com invasores, proibindo operações como a cópia de dados para a área de transferência. Se um funcionário insatisfeito tentar usar o laptop da empresa para enviar informações proprietárias da empresa a um concorrente por e-mail pessoal, as soluções de DLP, incluindo o controle de dispositivos, não só impedem essa possível violação de propriedade intelectual em tempo real, como também notificam as empresas imediatamente sobre a tentativa. Isso demonstra o poder do software DLP, como o Endpoint Protector da CoSoSys, na prevenção de vazamento e exfiltração de dados, e os provedores de serviços de segurança cibernética reconhecem sua importância na mitigação de riscos cibernéticos.

Por: Cristina Moldovan

Veja também:

Sobre mindsecblog 2483 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

1 Trackback / Pingback

  1. DLP e Gerenciamento de Ameaças estão convergindo | Minuto da Segurança da Informação

Deixe sua opinião!