Brasil sofreu 60 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos

Brasil sofreu 60 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2023, segundo a Fortinet 

O Brasil recebeu 60 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2023, segundo dados do FortiGuard Labs, laboratório de inteligência e análise de ameaças da Fortinet.

Comparado com o ano anterior (103 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2022), a quantidade de 2023 é inferior, mas isso não é, necessariamente, uma boa notícia. Como o FortiGuard Labs tem alertado, esta é uma tendência global, há menos ataques massivos, mas há um volume maior de explorações exclusivas e novas variantes de malware e ransomware que são muito mais direcionadas. Em suma, há menos ataques, mas que são criados para objetivos específicos, o que os torna mais sofisticados e com maior probabilidade de sucesso se as empresas não possuírem defesas de cibersegurança integradas, automatizadas e atualizadas.

A região da América Latina e o Caribe sofreu 200 bilhões de tentativas de ataques em 2023, o que compreende 14,5% do total reportado globalmente no ano passado. Os países latino-americanos com maior atividade de ataques cibernéticos em 2023 foram México, Brasil e Colômbia.

Mais destaques do relatório FortiGuard Labs 2023 da Fortinet:

  • O ransomware continuou registrando atividade significativa em 2023. Embora o volume das detecções tenha diminuído, essa tendência corrobora o que o FortiGuard Labs tem visto nos últimos anos: o ransomware e outros ataques estão se tornando mais específicos e direcionados, graças à crescente sofisticação nas táticas dos atacantes, técnicas e procedimentos e o desejo de aumentar o ROI por ataque. Este fenômeno reforça a importância de permanecer vigilante e reforçar as defesas contra potenciais ataques direcionados.
  • Ao longo de 2023, foi observada uma presença notável de ameaças ligadas as aplicações Microsoft Office. Embora muitas destas ameaças já tenham as suas assinaturas de remediação, a persistência na sua detecção sugere que os atacantes continuam encontrando utilidade na sua exploração, uma vez que os sistemas de muitas organizações não foram corrigidos ou atualizados. Um exemplo disso é a recente descoberta do FortiGuard Labs de uma campanha de phishing distribuindo uma nova variante do malware Agent Tesla. Esta conhecida família de malware usa um trojan de acesso remoto e um ladrão de dados para obter acesso inicial. É frequentemente usado por cibercriminosos para entregar malware como serviço (MaaS).
  • Em 2023, a distribuição de malware por meio de arquivos do Microsoft Office, como Excel, Word e PowerPoint, foi responsável por quase 50% das detecções de malware. Portanto, recomenda-se a implementação de estratégias de conscientização entre os funcionários, bem como a utilização de controles como Antispam, AntiMalware, EDR, entre outros, que permitam detectar e mitigar esta atividade maliciosa de forma eficaz.
  • O Prometei, um malware com capacidade de controlar remotamente máquinas infectadas, teve um aumento notável da sua atividade na América Latina durante 2023, com o Panamá e o Equador se destacando com a maior atividade detectada desse malware. O Prometei tem a capacidade de se espalhar lateralmente pelas redes, roubar credenciais de senha e executar comandos arbitrários, como também pode baixar e executar componentes maliciosos adicionais. Além disso, tem a capacidade de minerar criptomoedas e se atualizar automaticamente.
  • Assim como em períodos anteriores, a exploração do Double Pulsar continua no topo da lista como a vulnerabilidade predominante em praticamente todos os países da América Latina, representando 75% de todas as atividades maliciosas detectadas no último trimestre de 2023. Uma vez que esta ameaça foi identificada há muito tempo e já possui as assinaturas de remediação, este fenômeno destaca a extrema necessidade de as empresas atualizarem os sistemas e implementarem as recomendações dos fornecedores de segurança cibernética.
  • Outro destaque do período é o aumento exponencial nas atividades maliciosas detectadas no México, observado durante o quarto trimestre de 2023; o país teve um crescimento surpreendente de 950% em comparação com o ano anterior. Este fenômeno está ligado, principalmente, a um aumento notável nas tácticas de reconhecimento que procuram ativamente sistemas expostos que utilizam o protocolo SIP (Protocolo de Iniciação de Sessão, na sigla em inglês) para chamadas de voz através da Internet, dando aos atacantes remotos a capacidade de recolher informações sensíveis ou mesmo de obter acesso a sistemas vulneráveis.

Interromper o crime cibernético requer uma abordagem abrangente

Neste contexto, as organizações devem estar mais preparadas do que nunca, incluindo a cibersegurança como parte da sua estratégia de negócio. É necessário que as empresas tenham uma plataforma ampla que convirja redes e segurança, que seja integrada para reduzir a complexidade das operações e que seja automatizada com IA para reduzir a carga das equipes de TI e ser capaz de monitorar, detectar e isolar qualquer tentativa de intrusão antes que ela se infiltre na rede e, mesmo que ela já o tenha feito.

Como líder em segurança cibernética de classe empresarial e inovação em redes, a Fortinet ajuda a proteger mais de 700 mil organizações em todo o mundo, incluindo empresas globais, provedores de serviços e organizações governamentais. É importante ressaltar que o desenvolvimento contínuo da Fortinet em inteligência artificial (IA) aplicada a casos de uso de segurança cibernética, tanto no FortiGuard Labs quanto em todo o portfólio de produtos, está acelerando a prevenção, a detecção e a resposta.

Especificamente, os serviços de segurança baseados em IA do FortiGuard são usados ​​por controles de segurança implementados em endpoints e aplicações em redes e infraestruturas de nuvem. Tecnologias de detecção e resposta específicas que aproveitam mecanismos de IA e análises de nuvem (incluindo EDR, NDR e outras) também podem ser implementadas como extensões integradas de tais controles. A Fortinet também possui ferramentas de resposta centralizadas, como XDR, SIEM, SOAR, DRPS e outras, que aproveitam IA, automação e orquestração para acelerar a correção de incidentes. Tudo isso pode desempenhar um papel importante na disrupção do crime cibernético em toda a superfície de ataque e ao longo da cadeia de destruição do ataque cibernético.

Por: Fortiguard Labs

Veja também:

Sobre mindsecblog 2483 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!