O que é a Cyber Kill Chain ? 

O que é a Cyber Kill Chain ?  O que é a Cyber Kill Chain  (cadeia de destruição cibernética) e por que ela é crítica para a defesa cibernética da sua organização? 

Originada pela Lockheed Martin , a Cyber Kill Chain é uma estrutura crucial para compreender e interromper a sequência de passos que os invasores realizam durante um ataque cibernético .

Ao definir cada fase, desde o reconhecimento inicial até à execução dos objetivos, este modelo proporciona aos profissionais de segurança uma vantagem estratégica na detecção e detenção de ameaças antes que se transformem em violações graves.

Neste artigo, abordaremos os 7 estágios da cadeia de destruição cibernética, exploraremos sua evolução diante de novas ameaças e compartilharemos estratégias de defesa que aproveitam sua abordagem estruturada para uma segurança cibernética moderna e robusta.

Principais conclusões

  • A estrutura Cyber ​​Kill Chain é um modelo que descreve os estágios de um ataque cibernético, fornecendo às equipes de segurança uma abordagem estruturada para prever e neutralizar ameaças potenciais .
  • Embora originalmente composta por sete fases, a estrutura da Cyber ​​Kill Chain evoluiu para incluir etapas adicionais como a monetização, refletindo as mudanças nas táticas dos ciberataques influenciados pelos avanços na tecnologia e num cenário cibernético em mudança.
  • A eficácia no mundo real do modelo Cyber ​​Kill Chain está bem documentada, e a sua aplicação permite que as organizações compreendam e interrompam ataques cibernéticos em vários estágios, melhorando estratégias proativas de defesa de segurança cibernética.

O que é a estrutura da Cyber Kill Chain?

A estrutura Cyber ​​Kill Chain, também conhecida como cyber security kill chain, serve como uma ferramenta instrumental para o Blue Team , oferecendo um guia estruturado para organizar e interpretar eventos de segurança e estabelecer uma linguagem compartilhada para profissionais de segurança .

Desenvolvido como um modelo para conceituar a sequência de etapas pelas quais um invasor passa durante um ataque cibernético, seu design visa atingir objetivos específicos. O seu nascimento marcou o início de uma nova era na compreensão das ameaças cibernéticas, revolucionando a forma como as organizações as percebem e respondem.

Longe de ser meramente teórico, este modelo funciona como um instrumento prático para identificar e travar ataques cibernéticos avançados antes que prejudiquem uma organização. Nas mãos de uma equipe experiente em segurança cibernética, a estrutura Cyber ​​Kill Chain pode ser a diferença entre um incidente menor e um grande desastre.

Breve história da cadeia de mortes cibernéticas

O berço da estrutura Cyber ​​Kill Chain foram os laboratórios da Lockheed Martin, onde o conceito militar foi inicialmente utilizado para segurança da informação por cientistas da computação. Esta adaptação dos modelos militares tradicionais ao mundo digital não foi apenas uma simples tradução, mas uma reimaginação de conceitos para se adequarem a um novo ambiente.

A genialidade dos investigadores da Lockheed Martin reside na sua capacidade de traduzir o mundo caótico da guerra cibernética nesta abordagem estruturada, proporcionando um caminho claro para a defesa contra ameaças digitais .

A cadeia de mortes cibernéticas

Como funciona?

A Cyber ​​Kill Chain fornece esse entendimento ao dividir um ataque cibernético em estágios principais , conhecidos como processo da cadeia de cyber kill.

À medida que a Cyber ​​Kill Chain continua a evoluir, é crucial manter-se informado sobre estas fases e utilizar mapas da Cyber ​​Kill Chain para uma melhor visualização. Compreender como funciona a Cyber ​​Kill Chain pode melhorar muito suas estratégias de defesa:

  1. Reconhecimento
  2. Armamento e entrega
  3. Comando e controle
  4. Movimento lateral
  5. Exfiltração de dados

Cada fase apresenta uma oportunidade única para detectar e impedir ataques cibernéticos à medida que progridem no ciclo de vida do ataque cibernético.

Imagine cada fase como uma peça de um quebra-cabeça. A cada peça, a imagem fica mais clara e as intenções do atacante são reveladas. O verdadeiro poder da estrutura reside na sua capacidade de fornecer uma visão holística de um ataque, permitindo que as equipes de segurança intervenham e interrompam o ataque em qualquer estágio.

Adaptando o modelo ao cenário cibernético atual

O modelo Cyber ​​Kill Chain está longe de ser uma noção estática.**Como qualquer ferramenta eficaz, adaptou-se ao cenário cibernético em evolução para enfrentar ameaças modernas**, como ataques internos, ransomware avançado e o surgimento de novas técnicas de ataque. Esta evolução foi influenciada pelos avanços tecnológicos, incluindo a computação em nuvem e a Internet das Coisas (IoT), que alteraram significativamente a natureza das estratégias de ataque cibernético.

Esta evolução é uma prova da flexibilidade e relevância do modelo. Apesar dos novos desafios e das mudanças nos vetores de ataque, o modelo Cyber ​​Kill Chain continua a ser uma ferramenta poderosa para compreender a anatomia de um ataque cibernético e desenvolver estratégias de defesa eficazes contra ameaças em constante evolução.

Além disso, a integração de insights do Modelo Diamond de Análise de Intrusão pode refinar ainda mais esse entendimento, oferecendo outra camada de análise para complementar a estrutura da Cyber ​​Kill Chain.

7 fases da Cyber ​​Kill Chain

As 7 fases da cadeia de destruição cibernética
Semelhante a um predador digital em busca de sua presa, um invasor cibernético segue uma sequência estruturada de fases para se infiltrar em dados ou ativos internos. Cada fase da Cyber ​​Kill Chain, desde o reconhecimento até à monetização, apresenta uma oportunidade para detectar e parar a ameaça.

A fase de ‘ação’ significa a realização dos objetivos primários do ataque, que podem variar entre:

  • roubo de dados
  • interrupção do sistema
  • acesso não autorizado
  • espalhando malware
  • roubo de identidade
  • espionagem

Alguns especialistas defendem mesmo a inclusão de uma oitava fase, a monetização, reconhecendo a motivação financeira muitas vezes no centro dos ataques cibernéticos.

Compreender essas fases é semelhante a decifrar o manual do invasor. Com ele, as organizações podem prever o próximo movimento do invasor e elaborar táticas para atrapalhar seus planos.

A estrutura consiste em sete estágios, cada um delineando uma faceta diferente de um ataque cibernético. As etapas são:

  1. Reconhecimento (Reconnaissance)
  2. Armamento (Weaponization)
  3. Entrega (Delivery)
  4. Exploração (Exploitation)
  5. Instalação (Intallation)
  6. Comando e controle (Command & Control)
  7. Ações sobre Objetivos (Actions on Objectives)

1. Reconhecimento (Reconnaissance)

Na fase de reconhecimento da Cyber ​​Kill Chain, os agentes da ameaça identificam um alvo que se alinha com os seus motivos, concentrando-se em ganhos financeiros ou estratégicos. Os cibercriminosos podem atacar entidades financeiras e pequenas empresas com fins lucrativos, enquanto os intervenientes estatais perseguem organizações estrategicamente importantes. A decisão sobre quem atacar geralmente utiliza credenciais comprometidas e é discutida em fóruns seguros entre os invasores. A inteligência contra ameaças torna-se um ativo crítico aqui, permitindo que as organizações fortaleçam a segurança do seu perímetro em antecipação a potenciais ataques cibernéticos.

2. Armamento (Weaponization)

Durante esta fase inicial do processo da cadeia de destruição cibernética, os atacantes recolhem informações cruciais sobre a rede alvo, predominantemente em segredo. Esta etapa tem menos a ver com a detecção imediata de ameaças e mais com a compreensão das táticas e técnicas de possíveis invasores, o que é essencial para o desenvolvimento de uma estratégia de segurança robusta.

3. Entrega (Delivery)

Depois de concluir o reconhecimento, os invasores selecionam seu vetor de ataque preferido, normalmente nos bastidores, o que dificulta a detecção precoce. A inteligência aqui reunida não serve apenas para prevenir violações de segurança, mas para informar um sistema de segurança que se defende contra ameaças conhecidas através da compreensão de comportamentos adversários , como o uso de código malicioso ou a exploração de outros sistemas.

4. Exploração (Exploitation)

Nesta fase, os atacantes implementam o seu ataque para penetrar na rede, muitas vezes utilizando o phishing como método para aproveitar credenciais comprometidas ou instalar código malicioso. Neste ponto da Cyber ​​Kill Chain, a inteligência sobre ameaças revela-se mais valiosa, atualizando os sistemas de segurança com assinaturas maliciosas e permitindo que os defensores ajustem as suas estratégias de segurança de forma eficaz.

5. Instalação (Intallation)

Uma vez lá dentro, o ataque progride em direção ao seu objetivo principal, que pode incluir o escalonamento de privilégios dentro da rede alvo. A força do sistema de segurança é fundamental para detectar e mitigar estes movimentos. O uso eficaz da inteligência sobre ameaças é crucial nesta fase para identificar ameaças reais e ajudar na rápida contenção de violações de segurança.

6. Comando e Controle (C2 – Command & Control)

Durante a fase de comando e controle , o malware se comunica com servidores externos para receber instruções adicionais, um componente central do processo da Cyber ​​Kill Chain. Aqui, a inteligência sobre ameaças é fundamental para identificar e bloquear essas comunicações para interromper o controle que os invasores têm sobre o código malicioso implantado.

7. Ações sobre Objetivos (Actions on Objectives)

Finalmente, os atacantes executam a sua missão principal, desde o roubo de dados até à interrupção do sistema. Nesta fase avançada da Cyber ​​Kill Chain, a utilização de certificados de segurança e outras medidas de autenticação pode ajudar a detectar comportamentos anómalos, auxiliando na contenção e mitigação do ataque. A inteligência contra ameaças desempenha um papel crucial ao alertar as organizações sobre a presença dos seus dados nos mercados da dark web, facilitando ações rápidas para mitigar os impactos do ataque.

Identificando e Mitigando Vulnerabilidades de Ataque

Embora decifrar o manual do invasor seja vital, é igualmente imperativo entender como fortalecer suas defesas. As organizações podem reforçar as suas defesas contra ataques externos e proteger dados sensíveis contra ameaças internas através da implementação de várias medidas de segurança. Essas medidas incluem o uso de senhas fortes e exclusivas e a autenticação multifatorial para reduzir significativamente o risco de violações durante ataques cibernéticos.

Algumas práticas recomendadas para proteção contra ataques de malware incluem:

  • Manter os sistemas atualizados e corrigidos para eliminar vulnerabilidades de segurança rapidamente
  • Fazer backup de dados regularmente e testar processos de restauração para evitar perda de dados
  • Usando sistemas de gerenciamento unificado de ameaças (UTM) para consolidar diversas funções de segurança em um único sistema

Fortalecendo a rede alvo contra ataques externos

No contexto de ataque interno ou externo, a estratégia principal gira em torno da fortificação. As organizações protegem-se contra esses ataques empregando tecnologias como firewalls, sistemas de detecção de intrusões e adotando uma estratégia de defesa profunda com múltiplas camadas de segurança. A adoção de HTTPS para comunicações seguras na Internet é uma medida crítica para proteção contra ameaças cibernéticas externas.

Os controlos técnicos são importantes para a defesa cibernética, restringindo o acesso dos utilizadores a dados e aplicações essenciais para proteção contra riscos externos de segurança. Alguns exemplos de controles técnicos incluem:

  • Firewalls
  • Sistemas de detecção de intrusão
  • Criptografia
  • Listas de controle de acesso

O treinamento em inteligência contra ameaças também é vital para fortalecer a segurança da rede de um alvo, pois os programas de conscientização ajudam os usuários a identificar tentativas de phishing e outras atividades maliciosas para evitar ataques externos.

Qual a importância da Cyber ​​Kill Chain na segurança cibernética?

No jogo estratégico da segurança cibernética, manter um ataque robusto constitui muitas vezes a melhor defesa. Os sistemas de segurança desempenham um papel crucial na interrupção da Cyber ​​Kill Chain, aplicando controles de segurança como:

  • detecção (detection)
  • negação (denial)
  • perturbação (disruption)
  • degradação (degradation)
  • decepção (deception)

A estrutura de segurança de confiança zero (zero-trust) protege usuários, dispositivos, APIs, IoT e muito mais, exigindo verificação de confiabilidade antes de conceder acesso, o que ajuda a evitar movimentos laterais e acesso não autorizado.

Uma abordagem de segurança em camadas protege contra malware com ferramentas como monitoramento de endpoint de última geração, firewalls e sistemas de prevenção de invasões, cobrindo a segurança desde o endpoint até a camada de superfície de ataque DNS.

A segmentação da rede reduz o risco de exposição generalizada durante um ataque, isolando diferentes partes da rede. A análise de segurança e a inteligência sobre ameaças em tempo real permitem um monitoramento próximo do tráfego de rede para melhor visibilidade e compreensão dos incidentes de segurança.

Técnicas avançadas de prevenção de malware

Técnicas avançadas de prevenção servem como escudos essenciais para o seu reino na luta contra malware. As organizações podem prevenir malware durante a fase de entrega implementando:

  • Proteção contra malware de endpoint
  • Lista de permissões de aplicativos
  • Filtros proxy
  • Sistemas de prevenção de intrusões baseados em host

Atualizações regulares do software antivírus, juntamente com cautela em relação a links e downloads suspeitos, são essenciais para os esforços de defesa da segurança cibernética contra malware. Essas técnicas formam a primeira linha de defesa contra códigos maliciosos, garantindo que seus sistemas estejam fortalecidos contra possíveis ataques.

Medidas de engano (deception) e detecção de movimento lateral

O deception deixa de ser apenas uma estratégia defensiva e se torna uma arma ofensiva. Medidas de engano são empregadas na defesa cibernética para interromper as comunicações dos invasores, degradar a eficácia do ataque e enganar os invasores com informações falsas ou iscas.

Os honeypots (um tipo de tecnologia enganosa), por outro lado, atraem invasores apresentando informações falsas ou configurando ativos chamariz, auxiliando na detecção de movimentos não autorizados dentro de uma rede.

A detecção de movimentos laterais dentro da rede é crucial para identificar invasores que possam ter contornado as defesas iniciais e estejam tentando se mover dentro da rede. Ao criar um labirinto de enganos, as organizações podem direcionar mal os invasores, desperdiçando tempo e recursos enquanto revelam suas táticas.

Além da Kil Chain

Embora a estrutura da Cyber ​​Kill Chain seja de fato um instrumento potente, não é a única ferramenta à nossa disposição. As estratégias de defesa em evolução incluem abordagens unificadas à segurança cibernética e o aproveitamento da IA ​​e da aprendizagem automática para detecção e resposta a ameaças em tempo real.

O modelo tradicional de Cyber ​​Kill Chain, com foco na detecção, prevenção e segurança de perímetro de malware, evoluiu para melhorar o reconhecimento e a antecipação de ameaças diversas e sofisticadas, como ameaças internas, engenharia social e ransomware avançado.

O modelo unificado de kill chain surgiu como uma estrutura alternativa que sintetiza metodologias tanto do Cyber ​​Kill Chain quanto do MITRE ATT&CK Framework , oferecendo uma abordagem mais detalhada e integrada com 18 estágios distintos. Esta evolução mostra que, embora a Cyber ​​Kill Chain continue a ser uma ferramenta vital, faz parte de uma estratégia de defesa cibernética mais ampla e abrangente.

Abordagens unificadas para segurança cibernética

A verdade é que não existe uma única estrutura que possua todas as respostas. A integração de conceitos das estruturas Cyber ​​Kill Chain da Lockheed Martin e MITRE ATT&CK pode resultar em uma estratégia de defesa de segurança cibernética mais abrangente.

Enquanto a estrutura Cyber ​​Kill Chain descreve uma sequência cronológica de um ataque, a estrutura MITRE ATT&CK fornece uma biblioteca detalhada de ações e motivações do invasor, que não é limitada pela sequência.

Estruturas de inteligência de ameaças como MITRE ATT&CK, quando combinadas com a Cyber ​​Kill Chain, permitem uma estratégia robusta para identificar e abordar táticas, técnicas e procedimentos usados ​​pelos adversários. O uso do MITRE ATT&CK junto com o Cyber ​​Kill Chain pode aprimorar a inteligência sobre ameaças cibernéticas e, quando combinado com IA e aprendizado de máquina, pode melhorar a detecção e resposta a ameaças.

Integrando IA e aprendizado de máquina

O advento da IA ​​e do aprendizado de máquina revolucionou o campo da segurança cibernética . Eles permitem:

  • Detecção e resposta em tempo real a ameaças
  • Identificação proativa de riscos
  • O aprendizado de máquina de reforço em segurança cibernética usa tentativa e erro para permitir que algoritmos identifiquem e respondam a ataques em tempo real.

O aprendizado de máquina pode automatizar tarefas repetitivas de segurança, aumentando assim a eficiência e a eficácia na identificação de ameaças em comparação com os humanos. Algumas maneiras pelas quais o aprendizado de máquina é usado na segurança incluem:

  • A análise de comportamento de usuários e entidades (UEBA – User and Entity Behavior Analytics) incorpora aprendizado de máquina para estabelecer linhas de base de comportamento normal e detectar atividades incomuns.
  • O aprendizado de máquina supervisionado prevê ou classifica ameaças específicas à segurança, treinando em amostras de dados benignas e maliciosas.
  • O aprendizado de máquina não supervisionado analisa conjuntos de dados não rotulados para descobrir padrões ocultos sem orientação humana prévia.

Essas aplicações de aprendizado de máquina em segurança ajudam a melhorar a detecção e resposta a ameaças.

Casos de uso da vida real para o modelo Cyber ​​Kill Chain

Um estudo abrangente conduzido por Glorin Sebastian, do Georgia Institute of Technology, utilizando o modelo Cyber ​​Kill Chain da Lockheed Martin, revelou insights críticos sobre várias violações de dados de alto perfil.

Esta pesquisa traçou meticulosamente os estágios dessas violações, desde o reconhecimento até as ações finais nos objetivos, oferecendo uma compreensão detalhada de como cada ataque se desenrolou e das principais vulnerabilidades exploradas. A análise abrangeu as seguintes violações:

  • Violação Equifax (13 de maio a 30 de julho de 2017) : Essa violação, causada pelo atraso na correção de uma vulnerabilidade conhecida no Apache Struts, levou ao comprometimento de dados pessoais de milhões de pessoas.
  • Violação da Target (novembro de 2013) : Um ataque à cadeia de suprimentos que começou com um e-mail de phishing enviado a um fornecedor, levando ao roubo de informações de cartão de crédito de mais de 110 milhões de clientes.
  • Violação do Yahoo (final de 2014) : Decorrente de um ataque de spearphishing a um funcionário, essa violação comprometeu pelo menos 500 milhões de contas de usuários, tornando-se uma das maiores violações da história._
  • Sands Casino Attack (fevereiro de 2014 ): Um ataque com motivação política por atores do Estado-nação, explorando uma vulnerabilidade em uma versão de teste do site do cassino.
  • Caso Atlanta e Not Petya (22 de março de 2018) : Este ataque de ransomware, usando o vírus SamSam, interrompeu significativamente a infraestrutura de TI da cidade de Atlanta.

A pesquisa de Glorin Sebastian utiliza essas violações para demonstrar a aplicação prática do modelo Cyber ​​Kill Chain na segurança cibernética. Cada caso destaca diferentes aspectos das ameaças cibernéticas e a importância de estratégias de segurança abrangentes em vários estágios de um ataque.

perguntas frequentes

Qual é a diferença entre a estrutura Mitre e a Cyber ​​Kill Chain?

A Cyber ​​Kill Chain afirma que todos os ataques cibernéticos devem seguir uma sequência específica, enquanto o MITRE ATT&CK não faz tal afirmação. A Cyber ​​Kill Chain oferece uma visão geral simplificada do ciclo de vida do ataque, enquanto a estrutura MITRE ATT&CK fornece uma compreensão mais detalhada dos TTPs do invasor .

Como o modelo Cyber ​​Kill Chain evoluiu para enfrentar as ameaças modernas?

O modelo Cyber ​​Kill Chain evoluiu para enfrentar ameaças modernas, adaptando-se a ataques internos, ransomware avançado e ao surgimento de novas técnicas de ataque.

A Cyber ​​Kill Chain ainda é útil?

Sim, o Cyber ​​Kill Chain ainda é útil. Continua a ser um quadro valioso para identificar e defender-se contra ameaças cibernéticas, especialmente à medida que a complexidade e a frequência destas ameaças continuam a crescer. Ao decompor as fases de um ataque cibernético, ajuda as organizações a compreender e melhorar sistematicamente as suas estratégias defensivas.

Empacotando

Desde a compreensão da sua genese até à exploração das suas aplicações no mundo real, a estrutura Cyber ​​Kill Chain surge como uma ferramenta vital no arsenal da segurança cibernética. Ele fornece uma abordagem estruturada para compreender e mitigar ameaças cibernéticas, oferecendo insights sobre a anatomia de um ataque cibernético.

No entanto, à medida que o panorama cibernético continua a evoluir, o mesmo deve acontecer com as nossas estratégias de defesa. Ao integrar o Cyber ​​Kill Chain com outros modelos como o MITRE ATT&CK, aproveitando a IA e o aprendizado de máquina e mantendo a flexibilidade e a adaptabilidade, as organizações podem ficar um passo à frente no mundo em constante evolução da segurança cibernética

Fonte: Recorded Future 

Veja também:

 

Sobre mindsecblog 2473 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

1 Trackback / Pingback

  1. O ataque ao código aberto XZ

Deixe sua opinião!