Debate sobre Segurança Cibernética na Agenda no G20

No momento geopolítico de hoje, os ataques contra a privacidade de grandes empresas e indivíduos se tornaram um dos grandes perigos da vida on-line. Grandes organizações têm orçamentos anuais de milhões para programas e protocolos de segurança para proteger suas redes. Ostensivelmente, eles estão protegendo os dados dos seus clientes, mas também é um investimento na manutenção de uma boa reputação.

Mas e se a solução residir em um simples acordo entre os estados?

Na sexta-feira, foi o próprio Donald Trump que discutiu, em seu primeiro encontro com o presidente russo Vladimir Putin, a formação conjunta de uma “unidade de segurança cibernética impenetrável” para proteger os processos eleitorais de ataques cibernéticos e outros perigos que acompanham a conexão constante com a internet.

Esta não é a primeira vez que o assunto da segurança cibernética chegou à mesa. Em um tempo em que o cyberwarfare é mais presença do que nunca em reuniões como o G20, a iniciativa poderia ter sido aclamada como oportuna. E ainda mais, dado que há alguns meses atrás, foi o presidente russo que propôs aos Estados Unidos fazerem um acordo de segurança cibernética após o ataque WannaCry que afetou milhares de dispositivos em todo o mundo.

No entanto, depois que as críticas foram feitas sobre o contínuo contato do presidente Americano com a Rússia, visto tanto pelos democratas quanto pelos republicanos como um aliado que não pode ser confiável nem construtivo quando se trata da segurança cibernética, Trump pôs em dúvida a possibilidade de criar uma relação de trabalho. “O fato de o presidente Putin e eu ter discutido uma unidade de segurança cibernética não significa que eu acho que isso possa acontecer. Não pode – mas um cessar-fogo pode, e aconteceu! “, Ele postou em um Tweet da cúpula.

Cyberwarfare na agenda global

Na maioria dos casos, quando falamos de guerra cibernética, estamos falando de ataques presumivelmente realizados por estados, embora seja raro encontrar provas conclusivas sobre o perpetrador do ataque. Os governos são mais claros do que nunca que deveriam tomar medidas para se proteger e, de fato, Obama fez uma declaração há alguns meses, reconhecendo que ainda há muito trabalho a ser feito após a própria Casa Branca ter sido violada.

Ultimamente, vimos exemplos claros dessa tendência, como a descoberta de um ataque em que os sistemas do DNC foram invadidos em busca de dados, que posteriormente foram divulgados para prejudicar a campanha da candidata democrata Hilary Clinton. Atribuir com certeza quem está por trás de um ataque é muito complexo e muitas vezes impossível, neste caso, há quase unanimidade entre especialistas que a Rússia estava por trás da tentativa de se intrometer.

Qualquer pessoa pode ser vítima de roubo de dados, e isso inclui grupos terroristas como o ISIS. Um desertor do ISIS roubou uma memória USB contendo dados nos 22.000 membros do ISIS que eles são obrigados a preencher em formulários antes de se juntar ao grupo.

Em março de 2016, a agência de inteligência da Coréia do Sul informou um ataque envolvendo 40 telefones celulares pertencentes aos agentes de segurança do país, acusando a Coréia do Norte do ataque. Dias depois, o governo da Coreia do Norte negou a responsabilidade.

Iniciativas como o programa de recompensas “Hack the Pentagon”, lançado pelo US Department of Defense, ou potenciais pactos de cooperação entre as principais potências mundiais, poderiam ser o início de um futuro melhor para a segurança cibernética global.

fonte: Panda Mediacenter
por MindSec   11/07/2017
About mindsecblog 213 Articles
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.