Broadcom em negociações para comprar Symantec

Broadcom em negociações para comprar Symantec. A Broadcom, gigante da fabricação de semicondutores, está buscando comprar a empresa de segurança Symantec.

Embora nenhum acordo tenha sido finalizado entre as duas empresas, a Bloomberg informou na noite de terça-feira, 02 de julho, que as negociações de aquisição estavam avançadas e que um acordo poderia ser alcançado em semanas, mas nenhum preço potencial de compra foi revelado.

Representantes da Broadcom e Symantec não responderam imediatamente a um pedido de comentário, segundo a Bloomberg.

Com a Broadcom em negociações para comprar Symantec, o mercado reagiu e o valor das ações da Symantec fechou a terça-feira em alta de 17% no ano, dando à empresa um valor de mercado de US$ 13,7 bilhões. Mas, após as notícias sobre o interesse da Broadcom na Symantec, o valor das ações da empresa de segurança subiu mais de 20% nas negociações após o expediente.

As ações da Broadcom ganharam 16% em valor este ano, dando à empresa um valor de mercado de US$ 118 bilhões no fechamento dos mercados na terça-feira. Mas o valor das ações da empresa caiu cerca de 4% nas negociações após o expediente, depois que o relatório da Bloomberg apareceu.

Segundo Anand Srinivasan, analista de tecnologia da Bloomberg, “a potencial compra da Broadcom de outro ativo com US $ 4 bilhões em vendas de software é provavelmente seu acordo mais ambicioso até agora – a Symantec deixou de ser líder e vem perdendo participação, mesmo em seus principais segmentos. O CEO da Broadcom, Hock Tan, provavelmente precisará cortar agressivamente os custos da Symantec  para manter as vendas estáveis.

O acordo marcaria a segunda grande aposta da Broadcom em software, após a aquisição da CA Technologies por US$ 18 bilhões no ano passado. Essa transação estimulou alguns investidores a expressar sua preocupação de que a estratégia de aquisição do diretor executivo da Broadcom, Hock Tan, estava sendo ampliada demais depois de ter desempenhado um papel fundamental na consolidação da indústria de chips de US$ 470 bilhões.

O acordo também veio depois que a Broadcom abandonou a busca pela compra da rival Qualcomm, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, bloqueou a transação citando riscos à segurança nacional.

Alguns analistas viram a possível compra da Symantec como positiva para a Broadcom.

A Symantec se encaixaria perfeitamente no portfólio da Broadcom“, escreveu Harsh Kumar, analista da Piper Jaffray, em nota aos investidores. Ele disse que a situação é semelhante à aquisição da CA  pela  Broadcom, “que acabou sendo extremamente bem-sucedida sob o guarda-chuva da Broadcom”.

Desafios da Symantec

A Symantec é a maior fabricante mundial de software de segurança cibernética, fornecendo produtos e serviços para mais de 350.000 organizações e 50 milhões de pessoas, de acordo com seu relatório anual.

A empresa tem enfrentado uma lista de desafios no ano passado, enfrentando a concorrência acirrada, a partida abrupta de seu diretor executivo, diminuindo o interesse do consumidor em programas antivírus e uma investigação financeira que terminou com lucros reafirmados. As ações subiram cerca de 17% este ano, recuperando-se de uma queda de 33% em 2018.

A Broadcom está se expandindo

O presidente e CEO da Broadcom, Hock Tan, não é estranho a grandes aquisições. Em maio de 2015, quando era CEO da Avago, Tan anunciou planos de adquirir a Broadcom por US$ 37 bilhões, fundindo as empresas sob o nome Broadcom. Mais tarde, ele mudou a sede da empresa de Cingapura para San Jose, Califórnia.

No final de 2018, a Broadcom concluiu sua aquisição da CA Technologies por US$ 18,9 bilhões. Analistas disseram que o movimento foi impulsionado pelo desejo de Tan de diversificar as participações de sua empresa e impulsionar a receita, à medida que o potencial de aquisição no mercado de semicondutores havia se tornado escasso.

Analistas dizem que Symantec precisa ser vendida

Alguns analistas dizem que a Symantec deveria considerar uma venda imediatamente. De fato, com o declínio nas vendas, receita e valor das ações da Symantec, e a saída abrupta de seu CEO, Greg Clark, em maio, muitos analistas disseram que a empresa ainda não está à deriva.

Após a renúncia inesperada de Clark, na cola dos resultados financeiros ruins, Richard Hill, um membro do conselho da Symantec, imediatamente começou a servir como presidente interino e CEO. Ele prometeu primeiro focar a empresa no aumento de receita. Mas ele também parece estar cortejando compradores.

Com a Symantec em meio a uma súbita saída de CEOs, resultados pequenos e uma miríade de ventos contrários específicos para a empresa, acreditamos que agora seria o momento de ouro para a empresa e sua diretoria finalmente considerarem a venda do negócio” Analista Wedbush Daniel Ives escreveu em uma nota aos clientes. 

Em combinações incomuns, o comprador deve ter cuidado

O movimento de um fabricante de semicondutores para comprar um fornecedor de segurança antivírus – também conhecido como endpoint – lembra outro empreendimento que acabou em fracasso.

A fabricante de chips Intel, em agosto de 2010, anunciou que estava adquirindo a McAfee, fabricante de segurança, por US $ 7,7 bilhões. Na época, a medida surpreendeu muitos analistas, que questionaram as tentativas de criar segurança de endpoints em placas-mãe, em vez de deixá-las no sistema operacional.

Em 2014, a McAfee Security foi rebatizada como Intel Security.  Em abril de 2017, no entanto, o projeto McAfee falhou, e a Intel vendeu a divisão de segurança para a TPG em um negócio avaliado em US $ 4,2 bilhões.

A Intel, no entanto, não foi a única gigante da tecnologia que tentou obter maior dominância de mercado. 

A Symantec e seu futuro

A Symantec, fundada em 1982 e sediada no Vale do Silício, possui uma ampla gama de produtos para proteger redes de computadores corporativas. Suas próprias aquisições recentes incluem um acordo de US $ 2,3 bilhões em 2016 para comprar o LifeLock, que é especializado em proteger os consumidores contra roubo de identidade.

O negócio mais famoso da Symantec ao longo dos anos tem sido o software para combater vírus de computador que foi vendido a consumidores sob o nome de Peter Norton, um conhecido programador que vendeu sua empresa para a Symantec.

Em 2005, a Symantec – então dirigida por Enrique Salem – adquiriu a Veritas por US $ 13,5 bilhões. Mas os supostos benefícios de combinar um armazenamento e uma empresa de segurança não se materializaram.  Os investidores continuaram a exigir que a Symantec dispensasse a Veritas.

Em agosto de 2015, depois de prometer desmembrar o negócio de armazenamento, a Symantec mudou de rumo e anunciou que estava vendendo a Veritas para o The Carlyle Group , uma empresa de gestão de ativos, por US $ 8 bilhões em dinheiro.

Para os investidores, a iniciativa da Broadcom de absorver a Symantec pode agora representar o último capítulo do falido programa de Salem.

O fato é que o futuro da Symantec é incerto, e a falta de inovações significativas frente a seus concorrentes e a consequente perda de espaço em seus principais segmentos, demonstram sinais claros de necessidade de mudança nos rumos da Symantec.

Fonte: BankInfo Security & Bloomberg & New York Times

Veja também:

Sobre mindsecblog 1772 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!