Spotify ganha patente para vigiar as emoções dos usuários para recomendar música

Spotify ganha patente para vigiar as emoções dos usuários para recomendar música. Suas emoções e barulhos ao seu arredor determinarão a música que você ouve.

A plataforma de streaming de música Spotify ganhou uma patente que permite bisbilhotar a fala dos usuários e até mesmo o ruído de fundo, a fim de avaliar o estado emocional e o tipo de localização para fornecer a trilha sonora apropriada. Nem um pouco assustador!

O Spotify recebeu uma patente que permitirá o uso de reconhecimento de fala e análise de som para avaliar os atributos demográficos de um usuário, determinar seu estado emocional e até mesmo obter informações sobre sua localização. A informação será usada – hipoteticamente, pelo menos – para escolher a música perfeita para tocar sem exigir qualquer entrada de dados consciente do ouvinte.

Argumentando que esperar que os usuários insiram os detalhes de seus próprios gostos e preferências era exigir muito do usuário médio da plataforma (e consome um tempo valioso que poderia ser gasto em streaming de música), o Spotify solicitou uma patente para executar automaticamente essas funções em fevereiro de 2018. Foi concedido no início do mês de janeiro, embora não tenha sido divulgado até que foi escolhido pela imprensa musical na quarta-feira, dia 27 de janeiro.

Usando o reconhecimento de fala, o aplicativo não só será capaz de identificar a idade, sexo e outros dados demográficos do usuário – ele irá analisar sua voz quanto a “entonação, ênfase, ritmo e unidades de fala” para determinar o estado emocional. Como se isso não fosse intrusivo o suficiente, o aplicativo coletará “metadados ambientais”, analisando o ruído de fundo para descobrir se o usuário está passeando, andando de ônibus, em uma festa e assim por diante.

O sistema recém-patenteado entra em cascata dependendo de como o usuário reage à música selecionada, buscando “metadados de estado positivos/emocional” para ajustar o algoritmo. O histórico de escuta e avaliação, bem como o histórico de amigos, também são levados em consideração. Quais emoções o Spotify encorajará e quais procurará afastar o usuário por meio de sugestões musicais não são explicadas na patente.

O novo e duvidoso ‘recurso‘ está longe de ser o primeiro passo do Spotify sobre a linha assustadora. Em outubro, ela garantiu uma patente para “métodos e sistemas para personalizar a experiência do usuário com base em traços de personalidade [do usuário]”, aparentemente estabelecendo as bases para o ‘recurso‘ que foi revelado no início deste mês. A patente permitiria ao serviço de streaming “humanizar a interface do usuário … de acordo com a personalidade do usuário”, talvez falando em um tom mais alegre para ouvintes identificados como extrovertidos, enquanto usa uma voz mais moderada para os introvertidos.

Em um artigo publicado em julho, o Spotify citou um estudo de três meses que analisou 17,6 milhões de músicas ouvidas por 5.808 usuários, explicando que a análise de IA mostrou “precisão de moderada a alta” em traços de personalidade que previam gostos musicais. A plataforma foi bastante aberta sobre seu desejo de fazer mais pesquisas “para vincular o comportamento de streaming com varredura cerebral, dados genéticos e fisiológicos

Também em outubro, o Spotify ganhou uma patente para fornecer publicidade direcionada geograficamente usando áudio 3D, o que daria a impressão de que o som transmitido vem diretamente de uma fonte geolocalização – digamos, uma cafeteria literalmente acenando para o ouvinte enquanto eles caminham pela rua.

Não está claro se os usuários do Spotify terão a chance de cancelar esses recursos ou se eles serão silenciosamente colocados em uma atualização de aplicativo, prontos para assustar o usuário na próxima vez que uma vitrine começar a falar com eles.

O Spotify parece estar ciente de quão poderosos serão os perfis emocionais complexos construídos pelo aplicativo, observando no jornal de julho que “a história digital de um usuário é extraordinariamente pessoal e sensível e deve ser tratada com a devida consideração dos usos indevidos concebíveis e externalidades não intencionais.” 

Em 2019 publicamos aqui no Blog que a Amazon Alexa compartilha gravações de voz de usuários com milhares de “escutadores”. Na época a uma investigação da Bloomberg revelou que a Amazon recrutou milhares de funcionários e contratados nos EUA, na Índia, na Costa Rica e na Romênia para ouvir os usuários do Amazon Alexa. O processo de análise de voz do Alexa, descrito por sete pessoas que trabalharam no programa, destacou o papel humano frequentemente negligenciado no treinamento de algoritmos de software. Em materiais de marketing, a Amazon diz que o Alexa “vive na nuvem e está ficando cada vez mais inteligente”. 

Também em 2019 noticiamos que a Apple suspendeu um programa que permitia que prestadores de serviço escutassem regularmente gravações de voz íntimas – incluindo acordos de drogas ou gravações de casais fazendo sexo – para melhorar a precisão do áudio do Siri, em um processo que a Apple chama de “grading” ou “classificação”. 

Mas, assim como nestes exemplos e diversos outras ferramentas de software criadas para aprender com a experiência, os humanos sempre fazem parte do ensino, seria o processso patenteado pelo Spotify feito da mesma forma? 

Fica as perguntas: Isto não seria invasivo demais? Não seria um Big Brother via stream de musica ? Os dados serão usados somente para está finalidade? E se grupo de dados comportamentais cair nas mãos erradas?  Este ‘recurso’ estaria de acordo com a crescente preocupação de leis de privacidade observadas em diversas regiões do mundo? No nosso, como a LGPD veria isto?

É, parece que o jeito é aguardar as “cenas dos próximos capítulos” !

Fonte: The San Francisco Telegraph 

 

Veja também:

About mindsecblog 1161 Articles
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Eletrobras e Copel são atingidas por ataques de ransomware
  2. Cibersegurança não é mais uma 'ameaça fantasma'
  3. Guardicore lança o IPCDump
  4. Tecnologias que podem ajudar a manter a sua privacidade

Deixe sua opinião!