Após Austrália, Huawei é banida da Nova Zelândia

Após Austrália, Huawei é banida da Nova Zelândia. Após a Austrália, a Nova Zelândia se tornou o país mais recente a bloquear uma proposta de uso de equipamentos de telecomunicações fabricados pela Huawei, da China, devido a preocupações com a segurança nacional.

A Spark New Zealand queria usar o equipamento Huawei em sua rede móvel 5G.  No entanto, uma agência de segurança do governo da Nova Zelândia disse que o acordo traria riscos significativos para a segurança nacional.

A medida é parte de um impulso crescente contra o envolvimento de empresas de tecnologia chinesas por motivos de segurança.

A Huawei, maior produtora mundial de equipamentos de telecomunicações, enfrentou resistência de governos estrangeiros em relação ao risco de que sua tecnologia pudesse ser usada para espionagem.

As redes 5G estão sendo construídas em vários países e formarão a próxima onda significativa de infraestrutura móvel. A firma de telecomunicações Spark New Zealand planeja usar equipamentos da empresa chinesa em sua rede 5G.

O chefe do Gabinete de Segurança das Comunicações do Governo da Nova Zelândia (Government Communications Security Bureau – GCSB) disse à Spark que a proposta “aumentaria, se implementada, riscos significativos de segurança nacional“, disse a empresa segundo o site da BBC News

O ministro de serviços de inteligência, Andrew Little, disse que a Spark poderia trabalhar com a agência para reduzir esse risco.

Como o GCSB observou, este é um processo contínuo. Vamos abordar ativamente quaisquer preocupações e trabalhar juntos para encontrar um caminho a seguir“, disse a Huawei.

Quais outros países têm preocupações?

A medida segue uma decisão da Austrália de impedir que a Huaewi e a chinesa ZTE forneçam tecnologia 5G para as redes sem fio do país por motivos de segurança nacional.

Os EUA e o Reino Unido levantaram preocupações com a Huawei, e a empresa foi examinada na Alemanha, Japão e Coréia.

O Wall Street Journal informou que o governo dos EUA tem tentado persuadir os provedores de serviços sem fio a evitar o uso de equipamentos da Huawei.

No Reino Unido, um relatório do comitê de segurança em julho alertou que tinha “apenas uma garantia limitada” de que o equipamento de telecomunicações da Huawei não representava ameaça à segurança nacional.

A Papua Nova Guiné disse esta semana que iria em frente com um acordo para a Huawei construir sua infraestrutura de internet. 

Quais são os medos?

Especialistas dizem que os governos estrangeiros estão cada vez mais preocupados com o risco de espionagem da China, dados os laços estreitos entre as empresas e o Estado.

Tom Uren, pesquisador visitante do Centro Internacional de Políticas Cibernéticas do Instituto de Política Estratégica da Austrália, disse que o governo chinês “demonstrou claramente intenção ao longo de muitos anos de roubar informações“. “O estado chinês se envolveu em muito ciberespaço e outras espionagens e roubo de propriedade intelectual“, disse ele à BBC.

As ligações entre as empresas e o governo alimentaram preocupações de que a China possa tentar “alavancar companhias ligadas ao estado para possibilitar suas operações de espionagem“, disse Uren.

Essas preocupações foram exacerbadas pelas novas leis introduzidas no ano passado que exigiam que as organizações chinesas ajudassem nos esforços nacionais de inteligência.

As leis permitem que o Estado chinês obrigue as pessoas e possivelmente as empresas a ajudar, se necessário“, disse Uren.

A combinação de novas regras e um histórico de espionagem aumentaram o perigo percebido de usar empresas como Huawei e ZTE em infraestrutura nacional crítica.

É difícil argumentar que eles não representam um risco elevado”, acrescentou Uren.

China no Blog Minuto da Segurança

Notícias polêmicas vindas da China não são novidades aqui no Blog. Além dos temos políticos e considerações do sistema Comunista Chinês ser visto  como ameaças global, existe também o controle da sociedade e da privacidade dos cidadãos chineses.

Em setembro de 2017 publicamos que o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp foi bloqueado na China, aumentando a censura e o controle sobre a privacidade (ou a falta dela) dos cidadãos .

Desde que a China anunciou a nova lei sobre o controle das telecomunicações e o filtro de conteúdo em julho, o Whatsapp estava lutando por sua existência na China. 

A China tem uma longa história de bloqueio e limitação do acesso a serviços web, especialmente redes sociais e sites de propriedade do Ocidente através do seu “Great Firewall”.

O bloqueio do WhatsApp não chegou a ser uma surpresa, pois  semanas antes noticiamos aqui no Minuto da Segurança que um empresário havia sido preso por vender acesso por VPN, que burla os controles do firewall Chinês.

Semana passada, dia 19, publicamos aqui que a China criou um sistema concede Créditos Sociais baseado no comportamento do indivíduo. Até 2020, Pequim planeja que seu novo Sistema de Crédito Social (SCS) esteja completamente operacional. O SCS irá avaliar as atitudes dos cidadãos, e suas atitudes passarão a valer pontos positivos e negativos atribuídos por um sistema do governo, uma espécie de Big Brother.

Sua avaliação definirá definirá o que poderá ou não obter de “regalias” ou “concessões” ou simplesmente o que poderá ou não comprar, por exemplo:  se poderá realizar uma viagem sonhada há muito; conseguir um novo emprego; hospedar-se em um hotel melhor; entrar em determinada escola ou mesmo ter limitada suas linhas de créditos. 

Em outubro último noticiamos que a China implantou chip em motherboards que deixam dados vulneráveis. Um microchip plantado pela China em placas-mãe usadas por organizações, incluindo a CIA, as forças armadas dos EUA, Amazon e Apple, deixou informações confidenciais vulneráveis ​​a hackers e ressalta a importância de garantir a segurança da cadeia de suprimentos.

Brian Vecci, evangelista técnico da Varonis, disse ao SC Magazine que “É o equivalente aos chineses colocarem seus próprios Snowden em todas as agências e empresas privadas com acesso elevado e porque é em hardware que é um pesadelo para erradicar”, explicando que o backdoor embutido no código “é uma ameaça avançada persistente, acesso privilegiado a uma variedade de sistemas e dados.” 

Isto também coloca não apenas o governo, mas a indústria privada, contra os atores do Estado-nação. “Os novos e recentes alertas do DHS sobre o ataque cibernético APT10 ‘RedLeaves’ em provedores de nuvem destacam como um problema impossível enfrentado tanto pelo governo corporativo quanto pelo municipal”, disse o CEO da CipherCloud, Pravin Kothari. “O problema é impossível porque as empresas e o governo não podem enfrentar agressores bem financiados do Estado-nação ou crime organizado em larga escala. É uma proposta ridícula acreditar no contrário.”

Na época, Kothari pediu que o governo dos EUA“intervenha e defenda nossa infraestrutura de internet para que o comércio normal e as comunicações possam continuar sem obstáculos ”.

Segundo a SC Magazine, as autoridades americanas começaram uma investigação secreta dos chips e acredita-se que foi plantada pelo People’s Liberation Army (PLA), em 2015, de acordo com a Bloomberg / BusinessWeek, que noticiou a história depois de uma investigação de vários anos por conta própria.

Parece que a “Guerra Fria da Internet”, onde a China, Coréia do Norte e Russia (todas de regime Comunista) tem sido as protagonistas, está longe de seu fim, e a medida que avançamos em tecnologia também avançamos nas desconfianças de novas ameaças vindas destes países.

Estaremos atentos …..

Fonte: BBC News 

Veja também:

Sobre mindsecblog 1765 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Aplicativo 'Download your Data' expõe senhas do Instagram na URL
  2. Vaza dados e senhas de clientes da TIVIT

Deixe sua opinião!