Informações de 60 milhões de usuários do Facebook foram vazadas

Empresa teria extraído ilegalmente informações para campanha de Trump

Informações de 60 milhões de usuários do Facebook foram vazadas. As mídias sociais são a muito tempo suspeitas de invadir a privacidade dos usuários e monetizar estas informações através de grupos dos mais variados fins, desde grupo comerciais de varejos à grupos políticos. E ao que tudo tem indicado nos últimos dias os meios externos usados por Trump para se eleger vão muito além das influências Russas, discutidas desde dias após sua eleição.

Facebook, Linkedin e outras mídias são um fonte inesgotável e riquíssima de informações que podem ser utilizadas para o “bem” e para o “mau”, por isto cabe ao usuário cada vez vez estar preocupado e cuidar para não expor informações que possam ser utilizadas de forma errada. No entanto, isto parece não ser suficiente… talvez a única solução nos dias de hoje seja “ficar offline”!

enquanto o mercado internacional se agita novamente pelo novo escândalo de uso de informações indevidamente coletadas Facebook, reguladores, procuradores-gerais e legisladores nos EUA, Reino Unido e Canadá continuam a agir para tentar desvendar os eventos que levaram às informações pessoais de mais de 60 milhões de usuários do Facebook terem sido vazadas para uma empresa de perfis de eleitores .

A empresa, Cambridge Analytica, com sede em Londres, afirma ser capaz de influenciar os eleitores através de perfis cuidadosos de plataformas online e criar mensagens de mídia social.

Desde 2015, o Facebook sabia que a empresa havia adquirido os dados por meios que violavam suas próprias políticas, e alguns detalhes da situação apareceram nos relatórios de imprensa por pelo menos um ano. Mas a informação divulgada por Chris Wylie, um ex-cientista de dados da Cambridge Analytics, que apareceu em um relatório da Observer no fim de semana passado, transformou o que começou como uma aparente política do Facebook em um escândalo global de privacidade.

As preocupações foram alimentadas após o canal 4 do Reino Unido transmitir um vídeo secreto do CEO da Cambridge Analytica, Alexander Nix. No vídeo, transmitido pela primeira vez na segunda-feira, Nix descreve uma variedade de técnicas eticamente questionáveis ​​que a empresa, empregada pela campanha do presidente Donald Trump, poderia usar para promover eleições. Uma segunda edição, transmitida na terça-feira, causou mais surpresa porque os executivos da Cambridge Analytica afirmaram que sua empresa concorreu com “todos” da campanha digital do presidente Trump em 2016 e que seus esforços não deixaram “nenhum rastro de papel”.

Como resultado, o conselho da Cambridge Analytica suspendeu o Nix, dizendo na terça-feira que seus comentários, conforme capturados pelo Channel 4, “não representam os valores ou operações da empresa“. O conselho diz que lançou sua própria investigação sobre se os funcionários violaram as leis.

A Cambridge Analytica adquiriu os dados em questão de um professor de psicologia da Universidade de Cambridge, Aleksandr Kogan. Kogan implantou um aplicativo do Facebook em 2014 chamado “thisisyourdigitallife”, que pagava aos usuários para participar de uma pesquisa de personalidade.

Cerca de 270.000 pessoas instalaram o aplicativo. Mas o aplicativo também pode extrair dados de perfil de qualquer pessoa que tenha amizade com alguém que o tenha instalado, aumentando seu alcance para mais de 60 milhões de usuários.

O Facebook argumenta que Kogan mentiu para a empresa, apresentando o aplicativo inicialmente como um projeto acadêmico, mas depois passando os dados para o Cambridge Analytica para uso comercial. Vários relatórios sugeriram que a Cambridge Analytica é uma empresa-fantasma e que o financiamento veio do Grupo SCL.

Junto com o governo federal, três estados estão investigando as práticas de tratamento de dados do Facebook. Na terça-feira, Nova York e Massachusetts enviaram uma carta de demanda conjunta ao Facebook, segundo o procurador-geral de Nova York, Eric T. Schneiderman. “Os consumidores têm o direito de saber como suas informações são usadas – e empresas como o Facebook têm a responsabilidade fundamental de proteger as informações pessoais de seus usuários“, disse Schneiderman em um comunicado à imprensa. “Os nova-iorquinos merecem respostas, e se qualquer empresa ou indivíduo violar a lei, nós os responsabilizaremos.”

O promotor geral de Nova Jersey, Gurbir S. Grewal, disse na terça-feira que seu escritório também iniciou uma investigação sobre como os dados de usuários do Facebook foram parar nas mãos da Cambridge Analytica. “Estou particularmente preocupado com relatos de que o Facebook possa ter permitido a Cambridge colher e monetizar os dados privados de seus usuários, apesar das promessas do Facebook de manter essas informações seguras“, disse Grewel em um comunicado à imprensa. “Neste ponto, temos muitas perguntas e poucas respostas, e os moradores de Nova Jersey merecem saber o que aconteceu.

 

fonte: Bank Information Security

 

Veja também:

 

About mindsecblog 1274 Articles
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. AutoFill do Linkedin vaza informações confidenciais | GLCTech Tecnologia
  2. Facebook é multado em US$5 Bi e Rede Marriott em US$125 Mi
  3. Facebook é multado em US$5 Bi e Rede Marriott em US$125 Mi – Information Security
  4. Facebook é multado em US$5 Bi e Rede Marriott em US$125 Mi – Neotel Segurança Digital

Deixe sua opinião!