Qual é o futuro da cibersegurança? Análise de profundidade do ciberespaço.

Qual é o futuro da cibersegurança? Análise de profundidade do ciberespaço. A segurança se tornou parte de uma oferta de produto padrão. 

O Cenário de Segurança da Informação mudou a paisagem nos últimos anos. Os provedores de nuvem agora oferecem muita segurança consolidada que antes só estava disponível em soluções de terceiros. Existem sites como o Vpnetic.com que oferecem informações detalhadas sobre os segredos da segurança cibernética.

A tecnologia pode criar um nível de competição que não é possível com o conjunto existente de regras e regulamentos. No entanto, não deve ir muito longe em um ambiente monopolista. O ato de equilíbrio da tecnologia não deve ir muito longe em um território de monopólio, pois sempre enfrentará desafios das menores e médias organizações.

O site GBHackers trouxe uma reflexão interessante sobre o futuro, a qual trazemos aqui e complementamos aqui com nossa visão.

Tecnologias emergentes que serão mais significativas

O aprendizado de máquina está se atualizando, mas ainda exigirá um investimento contínuo.

Nos próximos anos, a inteligência artificial se tornará mais comercializada, o que poderá prever os comportamentos de que necessita para realizar ações específicas. Isso ajudará a resolver alguns dos problemas fundamentais que as organizações enfrentam quando se trata de segurança cibernética.
Blockchain é fundamental para o futuro da segurança. Sua capacidade de proteger e adulterar dados é um componente crucial para manter as redes seguras. Isso se tornará mais prevalente à medida que mais empresas começarem a adotá-lo.
A computação quântica também é uma tecnologia que prevalecerá mais no futuro. Seus muitos benefícios incluem a capacidade de criar novas invenções e descobertas científicas.
Os próximos anos verão uma grande melhoria em como automatizamos as partes mais críticas de uma organização. Será sobre adotar uma abordagem centrada em dados e entender onde seus dados estão.

Como a cibersegurança continua a evoluir

À medida que a tecnologia se torna mais avançada, os hackers estão sempre procurando as frutas mais fáceis de encontrar. Eles sempre tentarão encontrar o caminho de menor resistência.
Os métodos de ataque usados ​​por criminosos também mudarão, mas o cenário geral de ameaças não mudará muito. Mesmo que os ataques se tornem mais sofisticados, eles ainda estarão focados em configurações incorretas, como as dos desktops. A ascensão do ransomware é atraente, afetando a capacidade de muitas organizações de gerenciar sua tolerância ao risco. Também está mudando a forma como eles olham para a tolerância ao risco e aproveitam isto para roubar dinheiro das organizações e obter ganhos financeiros maiores.
Ransomware está se tornando poderoso e as organizações precisam ter muito cuidado ao abordar esse tipo de ameaça.

A falta de habilidades pode ser resolvida?

A capacidade de automatizar está cada vez melhor, o que ajuda a mover ajudar na falta de profissionais mais qualificados e especialistas. No entanto, ainda precisamos trabalhar para cultivar as pessoas certas.
A combinação desses dois fatores ajudará a preencher a lacuna de segurança. A maioria das empresas de sucesso não se concentrará mais na criação de equipes de segurança de classe mundial e migrará para soluções de segurança gerenciadas.

Protocolos de segurança cibernética e mitigação

É necessário desenvolver uma estratégia para gerenciar os riscos associados a vários projetos e operações. Isso envolve traçar um plano sobre como esses riscos serão tratados assim que ocorrerem.
A infraestrutura em nuvem está se tornando mais vulnerável a ataques devido à sua crescente complexidade e ao ainda baixo fator e especialização dos profissionais de SI. É por isso que é necessário desenvolver um sistema de governança e monitoramento de identidade. Buscar talentos de todas as partes do mundo garantirá que a automação seja bem articulada e haverá mínima ou nenhuma exposição de qualquer sistema às ameaças de segurança cibernética.

A Internet das Coisas

As ameaças cibernéticas estão em constante evolução e se tornando mais complexas. À medida que mais e mais organizações adotam a tecnologia, como elas se protegem?
O surgimento das tecnologias digitais aumentou o nível de ameaças cibernéticas. Há uma necessidade urgente de melhorar as medidas de segurança relacionadas a essas novas plataformas. Especialistas em tecnologia da informação, são obrigados a garantir que todas as tecnologias desenvolvidas que dão suporte à Internet das coisas sejam protegidas e não sejam facilmente hackeadas.
Como usuários das novas tecnologias, é aconselhável ter autenticações fortes, senhas e evitar a abertura de e-mails e links não confiáveis ​​para minimizar a exposição a ameaças de segurança cibernética.

O desenvolvimento de talentos em segurança cibernética tornou-se essencial.

Com o aumento do cibercrime, as empresas estão cada vez mais procurando maneiras de se proteger. No entanto, na maioria das vezes, eles só podem fazer isso contratando profissionais de segurança experientes.
O problema é que há uma enorme escassez de trabalhadores qualificados com os conhecimentos necessários em segurança da informação.
Devido ao aumento do crime cibernético, as empresas terão que gastar muito no treinamento de seus funcionários existentes nas habilidades de InfoSec. Isso dificultará a contratação dos especialistas certos em segurança cibernética.

Existem mais hackers para lidar 

Os ataques de computador estão acontecendo agora em uma taxa muito alta. Também há um bom motivo para acreditar que as habilidades e a motivação necessárias para executar um script de ataque crescerão no futuro. Infelizmente, muitas áreas do mundo não têm trabalhadores de tecnologia suficientes para dar suporte a essa expansão.

O setor de segurança cibernética se concentra nas ameaças da guerra cibernética

Na última década, o mundo testemunhou um aumento na guerra cibernética conduzida por governos e suas agências. A tendência começou com o worm Stuxnet, que foi implantado em 2010.
Cyberwarfare é o processo de ataque a sistemas de computador sem fronteiras. Muitas vezes as nações o realizam com pouco ou nenhum apoio político.
No futuro, as empresas terão que desenvolver infraestruturas resilientes que possam resistir a vários tipos de ataques. Um exemplo dessa infraestrutura são as redes de gestão do aeroporto.

A Inteligência Artificial (IA) continua a ser um componente central de todos os sistemas de segurança cibernética.

A IA percorreu um longo caminho desde seus primeiros dias. Hoje, ele é usado para realizar tarefas e tomar decisões muito mais rápidas do que os humanos.
Devido aos recursos de aprendizagem da IA , ela pode criar uma ampla gama de riscos de segurança cibernética. Como resultado, a implementação de técnicas de segurança adequadas se tornará cada vez mais desafiadora no futuro.
A capacidade dos AIs de identificar problemas de segurança e prevenir ataques afetará significativamente a forma como abordamos a segurança cibernética. Os desenvolvedores o usarão para melhorar a maneira como abordam a segurança e se protegem antes de serem atacados.

Confiança zero

Confiança Zero, ou Zero Trust, é um novo nome para um conceito antigo: não presuma que qualquer coisa ou pessoa deva ser confiável. Verifique a confiabilidade de cada dispositivo, usuário, serviço ou outra entidade antes de conceder acesso e verifique frequentemente a confiabilidade durante o acesso para garantir que a entidade não foi comprometida. Dê a cada entidade acesso apenas aos recursos necessários para minimizar o impacto de qualquer violação de confiança. Os princípios de confiança zero podem reduzir a frequência dos incidentes e a gravidade dos incidentes que ocorrem.

A confiança zero é um princípio, não um controle de segurança ou tecnologia. Conta com toda a infraestrutura de tecnologia desenhada para conferir e reavaliar a identidade e postura de segurança de cada entidade e monitorar continuamente as atividades que envolvem cada entidade. Conseguir isso requer ampla cooperação entre arquitetos e engenheiros de segurança, administradores de sistema e rede, desenvolvedores de software e outros profissionais de tecnologia. A implementação é quase sempre um esforço em fases e de vários anos, e é por isso que há uma pressão crescente para começar a adotar princípios de confiança zero o mais rápido possível. Este é um momento em que você deve se curvar à pressão.

Aliado ao conceito de Confiança Zero, a microssegmentação é uma prática recomendada de segurança emergente que oferece uma série de vantagens sobre abordagens mais estabelecidas, como segmentação de rede e segmentação de aplicativos. 

A granularidade adicional que a microssegmentação oferece é essencial em um momento em que muitas organizações estão adotando serviços em nuvem e novas opções de implantação, como contêineres, que tornam a segurança de perímetro tradicional menos relevante.

Em conclusão, os problemas de segurança cibernética continuam a evoluir e crescer em magnitude; portanto, especialistas em tecnologia da informação empregados por empresas e trabalhando por conta própria precisam desenvolver sistemas protegidos de terceiros.

Fonte: GBHackers & TechTarget


Veja também:

 

About mindsecblog 1403 Articles
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Brasil sofreu 3,2 bilhões de ataques no 1Q21 segundo a Fortnet
  2. Idec notifica Droga Raia por cadastro de biometria de clientes

Deixe sua opinião!