Mais de 90% das organizações tiveram incidente vinculado a um parceiro

Mais de 90% das organizações tiveram incidente vinculado a um parceiro terceirizado no ano passado. Pesquisa da CyberRisk Alliance com pessoal de TI e segurança cibernética, 91%, diz ter pelo menos um incidente vinculado a terceiros. 

Alguns dos ataques mais prolíficos a organizações empresariais e governamentais em 2021 foram causados ​​por vulnerabilidades rastreadas até fornecedores terceirizados. A ameaça, tornada mais real por ataques de alto perfil como Kaseya e outros, está estimulando muitas organizações a reavaliar como conduzem negócios com parceiros.

Em um estudo realizado no outono de 2021 pela CyberRisk Alliance Business Intelligence e patrocinado pela Security Scorecard , 91% dos 250 tomadores de decisão e influenciadores de TI e cibersegurança dos EUA pesquisados ​​relataram um incidente de segurança relacionado a um parceiro terceirizado no ano passado . Quinze por cento relataram 20 ou mais incidentes relacionados ao parceiro. Um engenheiro de TI sênior do setor de seguros se preocupou em “ficar à frente dos riscos [de terceiros], pois eles estão chegando até nós tão rapidamente”. Uma contraparte na área da saúde observou: “Muitos parceiros, não há recursos suficientes para gerenciar”.

As empresas que trabalham em serviços financeiros eram mais propensas a relatar um incidente cibernético envolvendo uma violação de terceiros. Isso provavelmente pode ser atribuído ao fato de que o setor de serviços financeiros tem sido um alvo frequente de cibercriminosos e é fortemente regulamentado com diretrizes rígidas para relatar esses incidentes às autoridades.

A pandemia e o movimento de trabalho remoto também apresentaram desafios de segurança adicionais. Os empregadores deram aos funcionários acesso seguro a redes e bancos de dados remotamente, às vezes por Wi-Fi público ou redes domésticas desprotegidas. Seus fornecedores e contratados foram desafiados da mesma forma. A sobreposição com esses desafios do COVID foi um aumento nos incidentes de segurança de terceiros durante os últimos 12 meses para dois terços dos entrevistados.

Com o aumento dos incidentes de segurança cibernética, é compreensível que as organizações queiram reduzir sua exposição ao risco quando se trata de fornecedores e contratados. Praticamente todos os participantes da pesquisa registraram algum nível de preocupação. A maioria estava levemente (20%) ou moderadamente (40%) preocupada, enquanto 27% estavam muito preocupados com a ameaça representada, principalmente aqueles que trabalham na área da saúde. A conformidade regulatória era a principal prioridade para a saúde, enquanto aqueles que trabalhavam no setor público estavam mais preocupados com os tempos de remediação. As seguradoras eram mais propensas a se preocupar com parcerias e cadeias de suprimentos, e os provedores de serviços financeiros classificaram as avaliações de risco e o monitoramento remoto como a maior preocupação.

No setor de saúde , 32% dos entrevistados estavam seriamente preocupados com ameaças de terceiros, o que foi maior do que em outros setores. De fato, os riscos são maiores na área da saúde, onde um dispositivo médico comprometido pode prejudicar mais do que os sistemas de TI ou a reputação de um sistema de saúde. As gangues de ransomware há muito têm como alvo os sistemas hospitalares regionais, sabendo que uma interrupção no serviço pode ser mortal. Além disso, os registros de pacientes roubados são mais valiosos do que os financeiros na dark web.

Em uma nota mais encorajadora, o relatório encontrou um grande número de organizações comunicando riscos ou incidentes de segurança de TI de terceiros a seus conselhos. Entre os pesquisados, 73% mantinham seus conselhos informados e outros 17% pretendiam começar a fornecer essas informações no próximo ano.

Fonte: SCMagazine

Veja também:

Sobre mindsecblog 1772 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

Seja o primeiro a comentar

Deixe sua opinião!