Suprema Corte Americana diz que dados de localização móvel deve ser protegido

Marco Civil define privacidade de dados móveis no Brasil

Suprema Corte Americana diz que dados de localização móvel deve ser protegido.  O Supremo Tribunal dos EUA determinou na sexta-feira, 22 de junho, que os dados gerados por dispositivos móveis – incluindo telefones celulares – que podem ser usados ​​para rastrear indivíduos são protegidos pela Quarta Emenda, que protege contra busca e apreensão não razoáveis.

ACLU – American Civil Liberties Union diz que a decisão “fornece uma atualização inovadora aos direitos de privacidade”

Segundo o site Bank Info Security , a decisão há muito esperada no caso de Carpenter v. U.S. foi decidida por uma margem de 5-4, com todos os juízes que se juntaram à maioria emitindo uma única opinião. O caso envolve Timothy Carpenter, que foi condenado por roubo em Detroit em 2013. “Para amarrar Carpenter aos assaltos, os agentes do FBI obtiveram – sem solicitar um mandado – informações sobre o número de meses de sua localização na empresa de telefonia de Carpenter“, diz Nathan Freed Wessler,  um advogado da ACLU – American Civil Liberties Union – que defendeu o caso perante a Suprema Corte em novembro passado. “Eles conseguiram quase 13.000 pontos de dados rastreando o paradeiro de Carpenter durante esse período, revelando onde ele dormiu, quando ele freqüentou a igreja e muito mais.

Na sexta-feira, a Suprema Corte determinou que os direitos da Quarta Emenda de Wessler haviam sido violados. “Quando o governo rastreia a localização de um telefone celular, ele consegue uma vigilância quase perfeita, como se tivesse anexado um monitor de tornozelo ao usuário do telefone“, afirmou o juiz John Roberts, autor da opinião da maioria no caso, na sexta-feira. decisão.

O juiz Samuel Alito, que escreveu uma das quatro opiniões divergentes, no entanto, temia que a decisão “garanta uma enxurrada de litígios, enquanto ameaça muitas práticas investigativas legítimas e valiosas sobre as quais a polícia tem legitimamente se baseado“.

Decisão substitui a teoria jurídica da década de 1970

Grupos de direitos digitais dizem que a decisão é um divisor de águas para os direitos de privacidade dos indivíduos na era moderna. A decisão “fornece uma atualização inovadora aos direitos de privacidade que a era digital tornou vulnerável a abusos pelo apetite do governo por vigilância“, diz Wessler, da ACLU.

O caso serve como “uma falha no edifício” da “doutrina de terceiros“, diz Andrew Crocker, um advogado da Electronic Frontier Foundation, um grupo de direitos digitais. “Durante décadas, a jurisprudência nos EUA sustentou que as pessoas que compartilham voluntariamente informações com terceiros não têm nenhuma expectativa de privacidade nessas informações subjacentes“, disse o advogado Chris Pierson, diretor de consultoria em cibersegurança da Binary Sun Cyber ​​Risk Advisers.

De acordo com a jurisprudência existente, aplicava-se a todos os metadados de telefone – incluindo telefone celular -. “Quando uma pessoa disca um número de telefone, ela está voluntariamente dando à companhia telefônica e a numerosos intermediários seu próprio número de telefone, o número que está sendo chamado e as informações de hora e data relacionadas a essa ligação“, disse Pierson.

Como resultado, em uma investigação, a polícia só precisava obter uma intimação ou ordem judicial, em vez de um mandado de busca – que é mais difícil de obter – para acessar os registros telefônicos ou os registros bancários de um indivíduo. “Tudo o que foi exigido pelo governo foi uma demonstração de ‘motivos razoáveis’ para uma ordem judicial para acessar os registros – algo que é bastante baixo em termos de privacidade e proteções de busca“, disse Pierson.

Como alguns incidentes recentes destacaram, no entanto, não está claro se as organizações que acumulavam ou compartilhavam informações de rastreamento de localização de celular estavam até exigindo que os usuários do aparato judiciário-legal provassem que haviam obtido uma intimação ou ordem judicial que lhes permitia acessar esses dados. Rastreamento de Localização de Telefones Celulares em Tempo Real: Montagem de Perguntas.

A polícia deve “provar a necessidade”

Agora, no entanto, a decisão da Suprema Corte elevou o nível de acesso a tais dados, pelo menos em muitos casos. “Há um mundo de diferença entre os tipos limitados de informações pessoais abordadas” pela teoria jurídica dos anos 70 sobre a qual o governo vem operando “e a exaustiva crônica de informações de localização coletadas hoje por operadoras de telefonia móvel“, diz a decisão da maioria.

Naquela época, “poucos poderiam imaginar uma sociedade em que um telefone fosse onde quer que seu proprietário fosse, transmitindo à operadora de telefonia celular não apenas dígitos discados, mas um registro detalhado e abrangente dos movimentos da pessoa“.

Como resultado, a decisão da Suprema Corte significa que, quando a polícia quer acesso a esses dados, eles devem primeiro provar que precisam disso. “O que a Suprema Corte em Carpenter v EUA detém é que geralmente o governo – ou seja, a investigadores – deve obter um mandado antes de obter registros transacionais de celulares (informações de localização da torre)“, disse Pierson ao ISMG – Information Security Media Group (proprietária do site Bank Info Security). “Isso significa que o governo deve mostrar sob um ‘provável motivo’ o limiar de inquérito e prova de que um mandado é necessário para acessar as informações de localização do site de celular (CSLI).”

Em outras palavras, a polícia em muitos casos deve agora “obter mais informações e dados para apoiar tal mandado … e, como resultado, as pessoas terão um maior grau de privacidade em sua localização, apesar de portarem dispositivos que estejam constantemente orientando as torres de celular“. “, Diz Pierson.

A decisão não se aplica em todos os casos, diz Pierson; o governo ainda pode solicitar acesso excepcional – sem mandado – em algumas situações, como casos de sequestro.

Tribunal Realiza um ‘Ajuste de Equilíbrio’

Analistas jurídicos dizem que o caso parece mostrar que a Suprema Corte está mudando sua posição sobre os direitos de privacidade dos indivíduos e o que constitui acesso razoável a informações que podem ser usadas para rastrear indivíduos, incluindo suas atividades históricas. “Embora este caso seja muito específico para informações de localização de sites de celular, podemos ver que o tribunal está mudando o pêndulo de volta para a privacidade individual, apesar dos avanços tecnológicos“, diz Pierson.

O especialista em direito da computação criminal Orin Kerr, que leciona na Escola de Direito Gould da Universidade do Sul da Califórnia, escreve no Lawfare que a decisão mostra que a corte está se engajando em um “ajuste de equilíbrio“, avaliando como a nova tecnologia poderia ser abusada pelo governo. .

Ao longo da opinião, Roberts baseia sua análise na ideia de que a vigilância do site celular é uma nova ferramenta que dá ao governo um novo poder que pode ser abusado, e que a lei deve mudar de curso para garantir que o governo não receba muito poder de uma aplicação mecânica das regras antigas “, diz Kerr.

Wessler, da ACLU, diz que a decisão reconhece que os telefones celulares e os serviços que eles fornecem são “uma parte tão difundida e insistente da vida diária” que o transporte de um celular “é indispensável para a participação na sociedade moderna. E ajuda a garantir que não tenhamos que desistir desses direitos se quisermos participar da vida moderna “.

E no Brazil ?

No Brasil temos muitos casos são analisados sob a ótica do direito tradicional, onde o temos itens da Constituição Federal no art. 5.º, inciso X tratou de proteger a privacidade assim assegurando: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honrae a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação“. Onde percebe-se que a consagração do direito à privacidade é tomada no sentido amplo que pode abranger todas as manifestações da esfera íntima, privada e da personalidade das pessoas, podendo incluir dependendo da interpretação os dados móveis.

[dg ids=”12639″]

No Marco Civil da Internet (disponível no link acima) a privacidade é tratada de forma mais clara e direta . Os artigo 10º e 11º do Marco Civil tratam de dois itens importantes relacionados à privacidade dos usuários. O primeiro diz, dentre outras coisas, que um provedor não pode violar o direito à intimidade e vida privada dos seus usuários — ou seja, não pode divulgar seus dados ou ainda monitorar os dados trafegados, algo natural para qualquer empresa que quer manter seus clientes felizes. E o segundo diz que o monitoramento e armazenamento desses dados podem ser feitos desde que o provedor receba ordem judicial com esta instrução. O tempo de armazenamento dos dados foi alterado, antes era de 2 anos e agora será de no máximo um ano.

Fonte: Bank Info Security

 

Veja também:

 

 

Sobre mindsecblog 1762 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. As 7 maiores preocupações de Segurança de 2018 para os usuários – Larré
  2. 340 Milhões de dados vazados em empresa de Marketing nos EUA

Deixe sua opinião!