Censura Chinesa treina jovens a buscar conteúdo proibido online

Censura Chinesa treina jovens a buscar conteúdo proibido online. Jovens estão sendo treinados pelo governo chinês para atuarem como “censores” de conteúdo ofensivo ao governo.

Segundo o NY Times, jovens como Li Chengzhi de 24 anos, recém formados estão sendo treinados a procurar, identificar e bloquear conteúdos que sejam ofensivos ao governo como fatos históricos e memes que possam estar sendo usados para divulgar mensagens que possam denegrir a imagem do governo comunista da China.

Li passa suas horas examinando o conteúdo online em nome das empresas de mídia chinesas em busca de qualquer coisa que possa provocar a ira do governo.

Como muitos jovens na China, o recém-formado de 24 anos pouco sabia sobre a repressão na Praça Tiananmen em 1989. Ele nunca tinha ouvido falar do dissidente mais famoso da China, Liu Xiaobo, o ganhador do Prêmio Nobel da Paz que morreu sob custódia há dois anos.

Li foi então treinado para saber como codificar palavras que se referem indiretamente a líderes e escândalos chineses, ou os memes que tocam em assuntos sobre os quais o governo chinês não quer que as pessoas leiam.

Para as empresas chinesas, ficar do lado seguro dos censores do governo é uma questão de vida ou morte. Além do ônus, as autoridades exigem que as empresas se censurem, estimulando-as a contratar milhares de pessoas para policiar o conteúdo.

Fábricas de Censura

Isso, por sua vez, criou uma nova indústria crescente e lucrativa: as fábricas de censura.

Segundo o NY Times, Li é um dos muitos jovens que trabalham nesta indústria, no caso Li trabalha para a Beyondsoft, uma empresa de serviços de tecnologia com sede em Pequim que, entre outras empresas, assume a carga da censura para outras empresas. Ele trabalha no escritório na cidade de Chengdu.

No coração de uma área industrial de alta tecnologia, o espaço é brilhante e novo o suficiente para se assemelhar aos escritórios de start-ups bem financiados em centros de tecnologia como Pequim e Shenzhen.

Recentemente, mudou-se para o espaço porque os clientes reclamavam que seu escritório anterior era apertado demais para permitir que os funcionários fizessem o melhor trabalho possível.

Perder um fato pode causar um erro político sério“, disse Yang Xiao, diretor de serviços de Internet da Beyondsoft, incluindo a revisão de conteúdo. Ainda segundo o NY Times, a Beyondsoft se recusou a divulgar quais mídias chinesas ou empresas online para as quais trabalha, citando confidencialidade.

A China construiu o sistema de censura online mais extenso e sofisticado do mundo. Ele cresceu ainda mais com o presidente Xi Jinping, que quer que a Internet desempenhe um papel maior no fortalecimento do poder do Partido Comunista na sociedade. Mais e mais conteúdos estão sendo considerados sensíveis e as punições estão ficando mais severas.

Uma vez circunspecta sobre seus controles, a China agora prega uma visão de uma internet supervisionada pelo governo que tem uma ressonância surpreendente em outros países. Até os tradicionais bastiões da liberdade de expressão, como a Europa Ocidental e os Estados Unidos, estão considerando seus próprios limites digitais. Plataformas como Facebook e YouTube disseram que contratariam milhares de pessoas para melhor manejar seu conteúdo.

Muitas empresas de mídia on-line têm suas próprias equipes internas de revisão de conteúdo, às vezes chegando aos milhares. Eles estão explorando maneiras de obter inteligência artificial para fazer o trabalho. O chefe do A.I. laboratório em uma grande empresa de mídia online, que pediu anonimato, disse que a empresa tinha 120 modelos de aprendizado de máquina.

Mas o sucesso é irregular. Os usuários podem facilmente enganar algoritmos. “O A.I. as máquinas são inteligentes, mas não são tão inteligentes quanto os cérebros humanos ”, disse Li. “Eles perdem muitas coisas ao revisar o conteúdo“.

A Beyondsoft tem uma equipe de 160 pessoas em Chengdu trabalhando quatro turnos por dia para analisar conteúdo potencialmente politicamente sensível em um aplicativo de agregação de notícias.

Fim do Anonimato na Rede

O governo Chinês editou em agosto passado medida regulatória obrigando os residentes no país a usarem seu nome real nas redes sociais e internet.

Na prática o governo Chinês tentar acabar com o anonimato de seus cidadãos na rede mundial .

O  Cyberspace Administration of China (CAC) deverá iniciou oficialmente a aplicação das novas regras a partir de 1º de Outubro, obrigando operadores de websites e provedores de serviços web, como fóruns e outras mídias, a verificarem o nome real e outras informações de seus usuários quando de seu registro e reportar às autoridades qualquer ilegalidade detectada nas informações fornecidas .

De acordo com o CAC, o seguinte conteúdo deverá ser considerado impróprio e proibido em publicações online:

  • Oposição aos princípios básicos definidos na Constituição;
  • Conteúdo de risco à segurança nacional;
  • Prejudicial à honra e interesses da nação;
  • Conteúdo incentivando o ódio nacional, a discriminação étnica e prejudicando a unidade nacional;
  • Conteúdo de ataque ou minando as políticas religiosas da nação e promovendo cultos;
  • Conteúdos espalhando rumores, perturbando a ordem social e destruindo a estabilidade social;
  • Conteúdo espalhar a pornografia, o jogo, a violência, o assassinato, o terror ou encorajando crimes;
  • Conteúdo insultando ou caluniando a outros e infringindo os direitos de outrem;
  • Qualquer outro conteúdo que seja proibido pelas leis e regulamentações Chinesas.

Na verdade, a lista é quase tudo que se costuma publicar nas mídias sociais e fóruns.

Pontuação Social

Alinhado à atividade de censura, e como forma de pressão sobre a população, a China iniciou a implantação de um sistema que concede Créditos Sociais baseado no comportamento do indivíduo. Até 2020, Pequim planeja que seu novo Sistema de Crédito Social (SCS) esteja completamente operacional. O SCS irá avaliar as atitudes dos cidadãos, e suas atitudes passarão a valer pontos positivos e negativos atribuídos por um sistema do governo, uma espécie de Big Brother.

Sua avaliação definirá definirá o que poderá ou não obter de “regalias” ou “concessões” ou simplesmente o que poderá ou não comprar, por exemplo:  se poderá realizar uma viagem sonhada há muito; conseguir um novo emprego; hospedar-se em um hotel melhor; entrar em determinada escola ou mesmo ter limitada suas linhas de créditos. 

O modelo foi proposto pelo presidente Xi Jinping em 2014, pretende funcionar como uma espécie de ranking de confiança do governo no cidadão. O comportamento de cada um dos quase 1,4 bilhão de chineses será monitorado e pontuado.


Cidadãos que levarem multas de trânsito, desrespeitarem ordens judiciais, fumarem em locais proibidos, acumularem dívidas, recusarem ingressar no serviço militar obrigatório ou postarem notícias falsas online, entre tantos outros critérios, podem ter seus créditos reduzidos.

O sistema de “Big Brother” adotado na China não é algo novo. Como comentamos acima o governo Chinês editou medida regulatória obrigando os residentes no país a usarem seu nome real nas redes sociais e internet, em uma tentativa de acabar com o anonimato na rede.

A medida forçou os cidadãos Chineses a usarem o seu nome real em suas identificações em fóruns e outras plataformas web. Na prática o governo Chinês tentar acabar com o anonimato de seus cidadãos na rede mundial para poder ter condições de aplicar as punições que julga cabíveis àqueles que não concordam com a política do governo.

O  Cyberspace Administration of China (CAC) , outubro de 2017, obrigou os operadores de websites e provedores de serviços web, como fóruns e outras mídias, a verificarem o nome real e outras informações de seus usuários quando de seu registro e reportar às autoridades qualquer ilegalidade detectada nas informações fornecidas .

O sistema ainda está em fase de testes. Portanto, é operado de forma fragmentada. Em alguns lugares da China, é comandado por prefeituras e governos locais, enquanto em outros é aplicado apenas por  empresas cadastradas.

Levando-se em conta o histórico de desrespeito às liberdades individuais e de censura no país, não há dúvidas de que as novas medidas devem aumentar ainda mais o controle social e os abusos do governo. O governo de Xi Jinping terá mais poder para monitorar a vida dos cidadãos e punir qualquer atitude que ameace ou vá contra os padrões e o poder do Partido Comunista.

Veja também:

Sobre mindsecblog 1772 Artigos
Blog patrocinado por MindSec Segurança e Tecnologia da Informação Ltda.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Novo Vazamento de Dados na TIVIT
  2. Cuba, Política e liberdade de acessos às redes sociais e a internet

Deixe sua opinião!